roto-rooter

festão…

captou os cornos dos convidados?

certamente, depois desta recepção, a tchurma da “briocolândia” já está procurando outros países para festejar suas “conquistas”… já que, pelas bandas de são paulo / rio / BH / PoA / salvador / petrópolis / uberlândia / porto velho / campinas / curitiba / são carlos / goiânia / niterói / victoria / recife / brumadinho / manaus / joinville / floripa… a chapa estará, sempre, quente!

registrado pelo lacumbuca!

#comgalhodentro…

Renan volta atrás e diz que vai devolver R$ 32 mil por voo da FAB

Aiuri Rebello
Do UOL, em Brasília

O presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), disse nesta sexta-feira (5) que vai devolver R$ 32 mil aos cofres públicos devido ao uso de um voo da FAB (Força Aérea Brasileira) no último dia 15 de junho, para fins particulares. Segundo a “Folha de S.Paulo”,Renan requisitou um avião modelo C-99 para ir de Maceió a Porto Seguro (BA), onde participou do casamento da filha do senador Eduardo Braga (PMDB-AM).

“Antecipadamente, o senador está recolhendo aos cofres públicos os valores – R$ 32 mil – relativos ao uso da aeronave em 15 de junho entre as cidades de Maceió, Porto Seguro e Brasília, objeto de dúvidas levantadas pelo noticiário”, diz a nota oficial divulgada hoje pela presidência do Senado.

Ontem, Renan foi questionado pelos jornalistas se devolveria o dinheiro à União e respondeu que não. Ele afirmou ainda que “o presidente do Senado tem direito a avião da FAB (Força Aérea Brasileira)”. “O avião da FAB usado para o presidente do Senado é um avião de representação. E eu utilizei o avião como tenho utilizado sempre, na representação como presidente do Senado Federal.”

diz aí, andré…

Subject: O monstro acordou?!
“Olá, MauVal, tudo bem?!

Maurício, excepcionalmente, não tecerei linha sequer sobre assuntos musicais. Não posso passar incólume sobre os últimos acontecimentos no Brasa.

O monstro acordou! Sim, ao que parece, ele despertou de sua hibernação, de um estado de letargia que parecia eterno!

Senhoras senhores, não estou descrevendo o despertar de alguma quimera ou qualquer outro ser mitológico. Falo do povo brasileiro, que sai às ruas nesse histórico junho de 2013. Deixando a mitologia e as figuras de linguagem um pouco à parte, eu, que andava desesperançoso com tudo e com todos, respirei novos ares, menos poluído e pesado.

A gênese de todo essas mobilizações, deve-se inicialmente, contra os aumentos abusivos das tarifas de ônibus, trens, metrôs, etc. Capitaneados pelo MPL (Movimento Passe Livre), milhares de pessoas botaram a cara na rua para dizer não a mais essa extorsão promovida por nossos agentes públicos.  Entretanto, todo aquele que se atreve a ter um discurso dissonante do establishment, corre o risco de ser confundido como vândalo o baderneiro. Foi o que aconteceu com os manifestantes no dia 13/06/2013. Para alguns articulistas, o ato não tinha apelo popular, pois boa parte dos manifestantes eram estudantes de classe média, que ainda sonham com uma revolução socialista. Algo parecido eu ouvi ao voltar da faculdade para minha casa naquela noite, ao ver bancos, lojas e pontos de ônibus depredados e pichados: “Não sei pra que eles fizeram isso… Vão todos acordar meio-dia amanhã!” Até então, era senso comum restringir o movimento aos estudantes e, não acreditar na redução das tarifas. Um amigo meu, me dissera a seguinte frase: ”Isso não vai dar em nada!” Será?!

Segunda, dia 17 de junho, de 2013. Tudo leva a crer que será mais um dia rotineiro para mim. O trabalho e a faculdade tomarão meu tempo e pensamentos. No entanto, soube pelas redes sociais, que mais um ato seria realizado no Centro do Rio de Janeiro. Sinto-me impelido de ir às ruas, mas, infelizmente, uma dor de garganta, somada a uma pequena febre me mandam de volta para casa mais cedo.  Pela televisão eu pude acompanhar que a insatisfação não era mais local. A insatisfação não apenas com a máfia dos transportes. A insatisfação era com toda a sujeira acumulada durante anos naquela pia velha e esquecida.  As tentativas de invasão ao Congresso Nacional em Brasília, e a ALERJ no Rio foram sintomáticas. As duas casas legislativas tornaram-se totens negativos, simbolizavam o tirano a ser destronado.

Mais de cem mil pessoas no RJ, e outras milhares em todo Brasil entrariam para História naquela noite.

Após aquele dia histórico, manifestações brotavam de todas as cidades do país. Eu não poderia mais ficar de fora. Além de apoiar as passeatas, era meu dever enquanto pretenso cientista social, acompanhar in loco, quem estava botando o bloco nas ruas.  Participei de três manifestações, em três cidades diferentes: Niterói, onde estudo; Rio de Janeiro onde trabalho e Duque de Caxias onde moro. Três atos repletos de nuances e características peculiares as suas realidades. Irei começar pela segunda, no RJ, a maior de todas. Oficialmente, 300 000 pessoas passaram pela Avenida Pres. Vargas. Contudo, a minha sensibilidade me diz, que havia muito mais do que isso. Jamais vi tantas pessoas na minha vida! A pauta não estava mais direcionada apenas ao preço abusivo das passagens. Mensagens contra a PEC 37, contra a corrupção, contra o aumento do custo de vida, contra a “cura gay”, contra o ato médico, etc… Vi uma infinidade de grupos e indivíduos: marxistas, sindicalistas, anarquistas, bombeiros, coxinhas que só queriam posar para fotos, nacionalistas, homossexuais, favelados, desabrigados e até fascistas. Gente de direita e de esquerda disposta a cuspir e vomitar tudo que estava entranhado há vários anos. Era a chance de realizar uma faxina completa com direito a desinfetante e creolina. Fora algo nunca antes imaginado por minha pessoa, que não acreditava em mais nada. Eu, na minha humilde resignação, acreditava que a nação estaria fadada a deitar eternamente em berço esplêndido.  Nunca me senti tão bem em estar enganado! Que momento!

Um dia antes, também tive a honra de participar do ato em Niterói, cidade onde estudo na minha amada Universidade Federal Fluminense, igualmente histórica, pois mais de 50 000 pessoas ocuparam a principal avenida de Centro de Niterói, a Amaral Peixoto, no dia que as prefeituras cancelaram os aumentos.

Mas, das três passeatas que pude participar, a que me mais me chamou atenção, foi a de Duque de Caxias, minha cidade. Sem o mesmo gigantismo das outras cidades, embora houvesse milhares de pessoas, para minha surpresa. Assim que cheguei em Caxias, por volta de 14:30, um clima de feriado, somado ao de apreensão, pairava no ar. Boatos de arrastões depredações eram ouvidos em todos os cantos da cidade.  De fato fora uma manifestação tensa, desde o seu início. Jovens sem ligação partidária, com reivindicações locais, era a maioria nos protestos. Porém, um grupo destoava da multidão. Em sua maioria, jovens como os demais, entretanto, sua pauta era outra: jogar bombas, chutar lojas e tentar arrumar brigas no meio da multidão. Afinal, a manifestação serviu para que as veias da cidade fossem expostas. Algo, que nós, mesmo morando na Baixada Fluminense, não queremos ver.

O que irá acontecer após o junho de 2013? Sinceramente não sei dizer. Tentar fazer projeções lançar teses, seria pretensão demais de minha parte. Na minha modestíssima opinião, acho que o jogo ainda não terminou. Estamos no meio do primeiro tempo, vencendo por 1 x 0, sofrendo pressão do adversário que é muito forte. Escrevo essas linhas horas antes da final da Copa das Confederações, entre Brasil x Espanha, quando nossa nação parará, mais uma vez, para torcer por nossa seleção.  Entretanto, nos dias de hoje, parar o país só por causa de futebol e carnaval, é coisa do passado. Pelo menos é o que espero…

Grande abraço em você, e em toda nação ronqueira!”

ANDRÉ

#comgalhodentro…

Ausência de Dilma na final destoa de chefes de estado e surpreende Fifa

Rodrigo Mattos
Do UOL, no Rio de Janeiro

Ao se ausentar da final da Copa das Confederações, a presidente da República, Dilma Rousseff, destoa de chefes de estado dos países-sede anteriores que tinham forte presença na competição. Pelo menos foi assim na Alemanha e na África do Sul, edições de quando o campeonato passou a ter a dimensão de um teste para a Copa do Mundo do ano seguinte. Em nenhum desses lugares, no entanto, havia manifestações na rua contra o Mundial.

A decisão de Dilma surpreendeu dirigentes da Fifa e decepcionou o presidente Joseph Blatter. O cartola suíço tinha dito que gostaria de ter a presença dela na partida. E membros da cúpula da entidade ficaram surpresos porque esperavam que a presidente gostaria de entregar o troféu em uma eventual vitória do time nacional, o que poderia gerar prestígio.

Foi assim com o o presidente da África do Sul, Jacob Zuma. Ele esteve na abertura, em outros jogos da seleção da África do Sul e entregou a taça para o capitão brasileiro Lúcio. Seu envolvimento foi tal que foi até receber o troféu oficialmente da Fifa em uma cerimônia no Congresso. Também fez visita ao time sul-africano, vestindo o agasalho igual ao usado pelos jogadores e pelo então técnico Joel Santana.

O então primeiro-ministro da Alemanha Gerard Shoreder também foi visitar a seleção alemã em sua concentração antes de uma das partidas durante a Copa das Confederações de 2005. Quem entregou o troféu para Ronaldinho foi o presidente Horst Koehler, que é o chefe de estado.

Dilma bem que tentou marcar uma visita para encontrar o técnico Luiz Felipe Scolari, mas não foi possível por conta de agendas. Ela só foi a uma partida, a de abertura, entre Brasil e Japão. Foi vaiada quando soltou apenas uma frase, abrindo mão do discurso que tinha pensado em falar para o público.

Desde então, o prestígio da presidente tem sofrido seguidos abalos a ponto de reduzir, segundo o Datafolha, a sua popularidade de 57% para 30% -percentual dos que acham que ela faz uma gestão boa ou ótima.

As manifestações nas ruas com pedidos por mais dinheiro para saúde e educação, que também incluem protestos contra gastos da Copa, a levaram a fazer um pronunciamento público. No discurso, tentou se dissociar de despesas com estádios do Mundial e defendeu o evento de forma tímida.Dentro da Fifa, a avaliação é de que ela demorou a falar sobre o Mundial, embora tenha recebido elogios públicos.

A ausência de Dilma também ocorre em um momento em que a relação entre o governo e a Fifa azedou. A entidade têm várias críticas à atuação da União, mas não as tem explicitado para evitar um conflito político. Já o governo tenta afastar sua imagem da organização máxima do futebol, criticada em praticamente todos os protestos.