Ronca Ronca


faça o cadastro para saber, em primeira mão, de promoções & infos!

       
Tico-tico

27 de janeiro de 2015

o #112, hoje, às 22h com bernardão bNegão…

Filed under: fotografia,programa — Tags:

seus problemas acabaram, nem calor você sentirá… afinal, bNegão está de volta.

UAU!

duas horas seguidas de pepitas inoxidáveis, gargalhadas arrebatadoras… e muuuita informação.

e mais:

juçara marçal conta como será o show de quinta feira no circo voador

+

reverberação pela vinda de LKJ… too much pressure.

na boa, por favor, dá um chego ali na esquina e descola uma caixinha zerada de K7.

é às 22h, aqui mesmo… em roncaronca.com.br

é pra espalhar à voNtade!

cheers



26 de janeiro de 2015

o poder da Música…

Filed under: imprensa,mojo — Tags:

na mais recente MOJO (que chegou ao brasa), com bowie na capa…



PJ+JM (ou as mais modernas mulheres sobre a face da terra)…

Filed under: fazendo arte — Tags:,

seguindo a bula do que é moderno pra gente, ok?



agenda…

Filed under: agenda



vamos agrupar essa “ovelha desgarrada” (ou como assim claudio?)…

Filed under: torcida

Assunto: Minha Casa , Minha Vida e sumiu os pcast.

“Maurição, tive que largar a preguiça e enfrentar com bravura e galhardia o calor de 50 graus, para receber um alento pro meu coração, pois saiba que os meus ouvidos são muito sensíveis só ouvem o Ronquinha, e daí que faço, pois o 109 desceu redondo lindo e faceiro, mas para meu desespero não sei como fazer para conseguir o 110 e seu irmão o 111, já estou com síndrome de abstinência e periga, sair da linha e sei lá ouvir Annita e outras drogas mais pesadas, será o meu fim, me passa a  bula urgente, aproveita e toca algo de uma  banda que descobri na tentativa de sobrevivência sem o Ronquinha, Pere Uru, adorei… Grande abraço, lembranças pro Shogun e Curadoria e Cocuradoria.”

Claudio



25 de janeiro de 2015

sonhando com a tangerina…

Filed under: historinhas,youtube — Tags:

a subida de edgar froese, há cinco dias, deixou os fissurados em música eletrônica / rock progressivo bem tristes.

EF fundou e levou às últimas consequências o tangerine dream… casca… pioneirismo total.

já comentei algumas vezes meu encontro com a banda, no royal albert hall, em 1975.

lembro, perfeitamente, de estar ultra MEGA esgotado… e que “tirei um quieto”, forte, ao som do TD.

aliás, toda a área em que eu estava sonhou com a tangerina, freneticamente… ZZZZzzzzzzzzzzzz…

o cansaço e minha pouca afinação ao som foram decisivos… mesmo assim, eu tinha certeza de estar presente

em algo muito relevante e “cabeleira altíssima”… imperdível para um brasileiro.

tanto que esse show no RAH é considerado pelos entendidos algo inoxidável, cabriocárico… hélpis!

ficam aqui nossas saudações ao monumental edgar froese… leNda!

R.I.P



assuNtando o envio da rolling stone pra quem não cruzou com ela…

Filed under: fotografia,historinhas

aqui em cima, mais uma das cinco páginas publicadas na rolling stone com imagens clicadas pela xeretinha.

no lado esquerdo, ac/dc e charlie watts… no direito, rod “the mod” batendo bola em copa e o Rei.

enfim, volta e meia pinga mensagem de neguinho dizendo que a revista não chegou à banca da cidade.

não é preciso reforçar o fato d’aTRIPA estar espalhada por todos os caNtos do globo terrestre, procede?

e em muitas dessas áreas a RS não passa nem perto.

well well well… diante dessa fatalidade, estou matutando o envio para quem não cruzou com ela.

mas preciso saber quantas revistas terei que afanar de uma banca… no mocó, na calada da noite.

portanto, se a RS não foi distribuída em sua cidade e você a deseja loucamente, por favor, manda

seu endereço completo para programa@roncaronca.com.br até às 22h de amanhã, segunda feira.

conforme a quantidade de pombos que chegar, conseguirei juntar a quadrilha pro tal assalto e alavancar

uma promo com X revistas, ok?

( :



negativos & positivos [148] (bob marley)…

Filed under: fotografia,negativos & positivos — Tags:

sorria, meu bem… sorria…

bob marley  /  rio de janeiro  /  março1980



jimi jimi jimi jimi…

Filed under: lançamento,livro — Tags:



24 de janeiro de 2015

quase três meses pra chegar (ou um título que vai na contramão da “modernidade”)…

Filed under: lançamento,livro — Tags:

espetáculo absoluto com todas as peripécias de robert wyatt.

grosseria em estado puro… brutalidade inoxidável… uma trivela no saco da padronização planetária.

detalhe:

essa edição em capa dura, com 460 páginas, formato 16 X 25 cms é muito leve…

portanto, facilita para quem puder trazer de fora.

mas, para não incomodar, o melhor é dar uma passada pela amazônia e… esperar, manja?

22 doletas + o camelo!

imperdível!!!



ah, se não fossem os amigos…

Filed under: historinhas

nada como ter amigos serenos, tranquilões, racionais… não é mesmo?

lembra do clima pré-copa?

estava previsto do pau comer na casa de noca. “não vai ter copa”, lembra?

e, no meio do furacão, estavam programadas três edições da festa roNca roNca no barzinho, na lapa.

isso, na lapa… que seria, com certeza, um dos campos de batalha… padrão FIFA total.

e eu alavancando a camiseta roNca pros embalos… com neguinho na minha orêia: “NÃO VAI TER COPA”!

até que um desses raios despencaram nas minhas idéias e nasceu este modelito meigo para o maNto…

UAU… explosivo, hein?

no que mostrei a arte para alguns chapas, chegaram os panos quentes junto com serenidade/inteligência/experiência:

- pô, maurição. não faz isso não. nada a ver

- tá doido? e se neguinho soltar a porra de uma bomba dentro da festa?

- ihhhhhhhh, maurição. você tá equivocado. a copa vai acontecer tranquilamente

- rapaz, desiste desse idéia bizarra, infantil e desnecessária

UFA!

nada como as verdadeiras amizades!

( :



23 de janeiro de 2015

aiNda o #111…

Filed under: torcida

Assunto: #111
“Salve Mauvall!

E esse #111?! Foi muita desorientação, fico lendo a bula e encantando com os diferentes rumos que o programa tomou em duas horas, e a polêmica, nem tão polêmica assim, que ENCARNADO já é um clássico não tem como negar e que a Juçara Marçal é uma artista singular na música também é fato, mas o melhor de tudo é saber que não sou o único a achar isso. É impossível vê-la ao vivo e não perceber que estamos diante de algo que foge da compreensão, tive a oportunidade de assistir um show dela em setembro e até hoje quando coloco o cd e os primeiros acordes de guitarra começam sinto a mesma emoção daquela longínqua noite de setembro e aí é só um aperto no peito. Ah, espetacular a matéria da Rolling Stone com a vossa senhoria agora tenho algo “físico” pra lembrar de alguém que guia minhas desorientações musicais. Pra terminar “Whiplash” é um filmaço, cena final épica e faço parte do coro que “Ida” é um filme a ser visto. E para não perder o costume queria pedir alguma pedrada do “Live in London, 1971″ Gilberto Gil e Gal Costa, passou a pouco no ronquinha, mas é demais.
Abraço pra vc, Shogun e tripa.”
Elvison-Lagoa Santa-MG.


plaNeta água…

Filed under: torcida

Assunto: Be water, my friend.
“Mauvall,
Ainda reverberando toda essa (importante) discussão sobre tempo e memória, gostaria de te dizer pra não encanar muito com isso não. O RoNca RoNca nos surpreende até nas horas mais inusitadas: a nova casinha própria (aleluia!) e o formato podcast podem ser novidades gigantescas para vocês que estão habituados a uma determinada estratégia de ação, na rádio e ao vivo, desde a década de 80, mas as mudanças, além de necessárias, são inevitáveis. Me lembrei de uma famosa entrevista do Bruce Lee em que ele afirma a importância de sermos capazes de esvaziar a mente, não ter um formato padronizado… resumindo, a necessidade de ser como água. Segundo ele, quando você coloca a água num copo, ela se torna o próprio copo. Quando você coloca a água numa garrafa, ela se torna a garrafa. E é isso, o roNquinha é e precisa continuar sendo como água… se adequando aos copos e garrafas da vida, sem nunca esquecer, obviamente, de seu estado natural. E qual é o estado natural do programa senão a reverberação musical e a interação social no universo? Mandei alguma batatada? Pode falar!
Hoje podemos acessar o tico-tico, baixar o programa, interagir pelas redes sociais e escutar o programa às terças-feiras das dez à meia-noite. Amanhã pode ser diferente: toda essa estrutura pode ruir e uma nova se erguer em cima dela. O importante é não esquecer de quem se é e estar preparado e disposto a encarar novos desafios e formas. BE WATER, MY FRIEND!
link para a entrevista:
http://www.youtube.com/watch?v=2FQU0WeGSEM (trecho)
Grande abraço,”
Leandro
P.S. tinha ficado com inveja do meu amigo Cesar ter escutado seu disco favorito do Bowie passando pelo programa… inveja tal que não durou muito, já que speed of life subiu livre, leve e solto neste #111. Brutal!
P.P.S reforço o coro do camarada W. (de Olinda) e indico fortemente o filme IDA. Conexão monstro com os “valores” (valores pode, Shogun?) do programa.


é do K (ou o F.F em PoA)…

Filed under: historinhas,imprensa,show — Tags:

Opinião Foo Fighters

Edu K: “Terei eu ficado velho ou vocês ficaram moles demais?”

ZH pediu para dois músicos darem suas opiniões sobre o show do Foo Fighters em 21 de janeiro na Fiergs

Todo mundo sabe que me alimento de polêmicas no café da manhã – faz tempo que deixei de lado a dieta Berlinense de coke & milk – e que sou um Merry Prankster de nascença, mas chegamos a um ponto na famigerada história de nossa cultura pop, como espelho (ainda que estilhaçado) de nossa sociedade em geral, em que não vai mais ter caô nem chazinho da tarde com bolachas: teremos, sim, que escolher lados!

Só para coalhar ainda mais este singelo texto de referências pop, é como se estivéssemos vivendo dentro da trilogia Star Wars: ou você está do lado negro da força ou você frequenta o mesmo salão de beleza que Luke Skywalker para manter aquele belíssimo Farrah Fawcett hairstyle. A crescente onda de conservadorismo de direita quem vem assolando o planeta como um tsunami da moral e dos costumes é nefasta, e merece atenção. Existe uma certa pressão pela homogeneidade hoje em dia. Não deve-se desviar muito da horda. Individualismo é palavrão. A globalização teve esse efeito nefasto. Por outro lado, parece que nunca foi tão fácil controlar as massas. Belo trabalho, Big Brother. É preciso fincar o pé no chão e defender nosso espaço – nosso, assumindo que você seja um desajustado como eu – antes que nos prensem na parede. Com isto, declaro hasteada e tremulante, bem lá no alto, minha bandeira FREAK e vamos, finalmente, ao assunto que cá me trouxe: os famigerados Foo Fighters.

Bem, antes que os fãs do clickônico baterista do Nirvana me tirem pra Judas (Priest haha), deixo claro que não estou tirando os Foo pra Cristo, mas, sérinho: será que ainda quero fazer parte (como…roqueiro?) de algo que hoje em dia tem seu maior representante (ao menos segundo histéricas opiniões por todos os lados e timelines neste pós show de Porto Alegre – ao qual compareci, antes que você me acuse de ficar atirando pedras de uma distância segura) numa banda como os Foo Fighters? OK, o clichê, adequado à minha avançada idade é “sai fora, seu velhote de merda”, mas terei eu ficado velho ou foram vocês que ficaram moles demais?

Vejam bem, nada contra some good ‘old rock n’ roll fun e os Foo são ainda um tanto chinelos dentro do profissionalismo todo de um show de rock de arena e mandam bem no quesito (o que me agradou, na verdade), mas…is this the death of bad ‘old rock n’ roll fun? No more ‘Bad Music For Bad People’? Me parece que vivemos em uma época similar a época que fomentou e inventou o rock, com uma bundamolice que impera, posturas de direita que proliferam, um conformismo que sufoca e uma violência estapafurdia que permeia tudo e todos, com gente defendendo pena de morte, discriminando por raça e credo (ainda…) e torcendo a cara e os beiços pra qualquer tipo de sexualidade que ameace seu mundo “papai & mamãe”: o circo perfeito pra pegar fogo com a explosão de uma nova expressão libertária e popular que acorde a população de extras de The Walking Dead caminhando pelas ruas e se alimentando de cérebro de minhoca pasteurizado nos shoppings das cidades. Nova expressão, diga-se, porque o rock não será tal coisa. O rock é um monstro coorporativo hoje, não serve mais às causas revolucionárias.

Para finalizar, faço um mea culpa e assumo: sou mesmo um charopão, apenas o Peréio da nova geração, mas faço este apelo ao povo guerreiro da disposição e terror: saiam das suas tocas de toelho e sigam-me os vivos ao topo da montanha! Vamos ver se lá de cima já se consegue enxergar The First Rays Of The New Rising Sun…​

*Edu K é músico e produtor musical



Older Posts »

Powered by WordPress