nelson cavaquinho

igor mandou pra gente (ou rio de tristeza)…

“Muito da produção artística brasileira se deve a um sentimento inspirador: a tristeza. Seja em trabalhos mais autorais, seja naqueles para alimentar a indústria cultural. A tristeza já vendeu muito disco, livro, quadro, filme, poesia. Ela é reflexiva, põe as coisas em perspectiva e nos faz pensar no porvir. Pode ser a tristeza por um amor perdido/não-correspondido, pela perda de uma pessoa querida, pela pobreza, pela injustiça. Um sentimento que nos deixa mais forte para os enfrentamentos que ainda virão.
Tom Zé, na contra-capa de seu primeiro disco, escreveu que o brasileiro é um povo triste bombardeado de felicidade por todos os lados. E sob um ponto de vista interessante, o carnaval só é a festa que é porque torna quatro dias do ano num intervalo de uma rotina entediante em um momento de fantasia, desbunde e sincretismo.
Nos últimos 10 ou 15 anos, tenho a sensação que a tristeza está sendo cada vez mais combatida do que se devia. A situação social e econômica do país melhorou um pouco e com isso veio uma nova noção arrebatadora de felicidade: o consumo. E mais que comprar e ter, importa ainda mais o ‘mostrar que tem’ nessa espiral esquizofrênica da sociedade do espetáculo. As artes, cada uma da sua maneira, se modificam nisso. A indústria cultural, por exemplo, aboliu qualquer coisa que remeta a tristeza dos meios de comunicação. Suas músicas e filmes tem mais preocupação em ostentar um padrão de consumo que explorar sentimentos, mesmo que de maneira clichê. Quem está mais afastado da onda industrial também prefere uma pegada mais alegre, de sorrisos largos e constantes. Sinal dos tempos.
Fico pensando que certos artistas não teriam muito espaço hoje com suas músicas e letras. Só pra ficar na música: Lupicínio Rodrigues, Cartola, Noel Rosa, Nelson Cavaquinho, Candeia, a turma toda do Rosas de Ouro, Paulinho da Viola – isso pra ficar em alguns poucos e não generalizar e dizer logo ‘todos os sambistas e intérpretes de samba dos anos 60 pra trás’. 
Fico pasmo vendo essas reportagens da gRôbo pautando “o que é ser carioca?”, “como ser feliz como um carioca?”, “10 motivos para o Rio ser maravilhoso”, “seja feliz como os cariocas”, como se essa cidade não fosse um rio de exclusão no qual está fundada há 450 anos.

Deixo aqui, para arrematar, uma música de Nelson Cavaquinho que serve bem para este texto.


Um abraço do seu amigo, sempre espontâneo, mas nem sempre feliz”
Igor

SUPERsábado!

não, não é todo dia que podemos comemorar os 100 anos de uma leNda… aliás, de uma LENDA!

hoje à tarde, participando do clube Oi – horário conduzido, LIVE, por nandão na rádio – tive a oportunidade de dizer que nelson cavaquinho é, com certeza absoluta, um dos 100 brasileiros que deram cara ao nosso povo… manja?

imagino alguns outros que também podem estar nessa lista… mas nelsão é o único com lugar garantido… na minha!

que a gente consiga manter por outros tantos séculos a presença Dele… na nossa alma!

( :

e para tudo ser muito festivo, a partir das 22h, estarei sonorizando o antes & depois da apresentação dos paralamas no circo voador!

25 anos do disco selvagem? com a banda deitando os cabelos na íntegra do míssil!

MEGA momento espetacular que passou por este click que cliquei no saudoso bar memória (YEAH!), há 25 aninhos…

( :

cacilds… que pressão!

cheers!

neeeeeeeeeeeeeeeeeeelson…

tesi, carioca radicado em são paulo, enviou estas imagens dos preparativos da estação primeira…

cacilds, enredo por conta do centenário da MEGA lenda!

nelson cavaquinho é outro nome que poderíamos adotar como nova razão social de nosso país, procede?

tipo assim:

“e você, onde nasceu?”

“sou natural do cavaquinho, nelson”!

ha ha ha… que onda, hein?

http://www.youtube.com/watch?v=eaH9wTLhpAk

que lenda, mamãe!

e mais, tal qual o tesi, nelsão TEM o vascão no coração, manja?

/ + /

e a torcida segue firme reverberando o síndico, toni platão puxa a fila:

Subject: tim
“tem duas semanas comprei a colecao toda no site www.comprecolecoesabril.com.br
semana passada chegaram os tres primeiros aqui em casa.
216,00 em 4x sem juros.”
bj
t.p
Subject: Tim Maia
“Salve, MauVal!
Muito bacana essa iniciativa da Abril. Do Chico, eu catei o volume dedicado ao “Construçao” classicaço que dispensa maiores comentários. Ediçao super caprichada, tanto em termos de projeto gráfico como de qualidade sonora.
Bom citar também a caixa da Universal “Tim Universal Maia”, que contempla a discografia qe o “Grao Mestre Varonil” lançou pela Polydor entre 1970 e 1984. Na Livraria Saraiva ela está sendo vendida, pelo site da livraria, a R$ 159,90, com frete grátis. O preço é um pouquim mais “salgado”, mas compensa por incluir discos que a coleçao da Abril ignorou solenemente, como os discaços de 1972 e o de 1976 (a. k. a. “Rodésia”, que eu particularmente amo de paixao).
O link da Saraiva: http://tinyurl.com/6a4znha
Long live RoNquinha!!!
Forte abraço. :)”
Evilasio
(Teresópolis / RJ)