fotografia

chris spedding ocupando o “ocupa tempo” #5…

dia desses, papeando com  miltão do [goma], molestador oficial das popoilas (nas festchuinhas), nos rachamos de tanto rir ao lembrar o encontro que tivemos com chris spedding, no atl hall, rio/fevereiro2003… afe!

era um show de bryan ferry (roxy music) que trouxe chris na banda… e lá fomos nós com esqueminha para encontrar o guitarrista no camarim depois do show.

a gravadora montou uma produça forte de imprensa para bryan bater um lero com os entendidos daqui… resultado, nenhuma alma viva na tenda da press especializada… tasquiupa!

well, well, well… fissuradex em mister spedding, claro, levei dois Lps pra ele dar uma rabiscada… entramos no backstage, zereta de qualquer presença… ah, detalhe, era fevereiro, rio de janeura, um calor dos infernos e chris spedding, no palco, trajado como se estivesse no inverno finlandês… bem, voltando, miltão e eu ficamos ali tal e qual dois náufragos abandonados quando, de repente, avistamos uma reluzente sandália rider emergindo do corredor… em seguida, um impecável calção adidas preto com listras brancas seguido por uma camiseta sem manga furadinha (manja?) em total sintonia com a fashion na rua da alfândega (centro / rio)… toda essa vestimenta ornamentando – para nossa surpresa – o corpitcho de CHRIS SPEDDING… hahahahaha… PQP!

miltão e eu nos olhamos, fizemos caras de quem estava vendo nossa senhora de lurdes no atl hall e partimos pra dentro do mulambão carioca: “hello, blá blá blá…”

miltão disse que tinha visto ele sei lá onde e eu puxei os Lps com a caneta… chris sequer olhou pras nossas fuças, proferiu uns grunhidos, rabiscou os discos e vazou!

HAHAHAHAHAHAHA… PQP, que lenda. que peça… moNstro total!

volta e meia chris spedding é lembrado pelo “boato” de ter gravado todas as guitarras de “never mind the bollocks” dos pistols. ele mesmo já desmentiu trocentas vezes mas… tá tudim AQUI

acho que se existisse uma mega sena chris spedding eu seria um dos sorteados com a quina do prêmio… cacilds, meus olhinhos já cruzaram com ele seis vezes: essa do atl hall + duas vezes ele tocando com roy harper (uma delas abrindo pro pink floyd). a foto ali de cima é no show solo de roy + ele com o sharks, no marquee, primeira banda de andy fraser depois do free mas esse show foi com busta cherry jones (talking heads) e com repertório do segundo disco da banda. nenhum dos dois discos está no spotify + ele com john cale lançando “slow dazzle” + ele com robert gordon… mamãe!

passei boas horas nos últimos dias ouvindo a guitarra estrogonófica de chris spedding em alguns dos meus discos preferidos… e nasceu o “ocupa tempo” #5:

 

pra fechar a terça feira em vibe astral total (acredite)…

nesses tempos de planeta sitiado, a gente acaba insistindo (ainda mais) em querer saber de determinadas figuras, né mermo?

algumas vezes nas derradeiras semanas perguntei ao zé:

– e aí, cuma tá o paraíba?

(é assim que me refiro ao cidadão pessoense)

e o zé: tá bem, vou armar de vocês se falarem

detalhe: telefonar pro herbert não é a mesma coisa de ligar, por exemplo, pro nandão. o paraíba tem o cotidiano muito regulado pelo relógio… com vários procedimentos. portanto, não é pegar o aparelho e… entende?

até que hoje o zé mandou na minha orelha: o H vai te ligar agora.

e o celula, trimmmmmmmmmmm… pô, não tenho o celular dele cadastrado há décadas, podia não ser ele. não daria pra atender, de cara, na galhofa… e eu, todo formal:

– alô

HAHAHAHAHAHA… do outro lado explodiu a voz do herbert como se fosse… sempre!

com todos os nossos jeitos de falar. ele lotadinho de vivacidade, segurança, engraçado pra meirelles, 100 % sagaz… em seguida joguei pesado:

– você só pode estar fazendo duas coisas, vendo o compacto do mengão campeão da liberta ou vendo os paraleimes, em mendes/1987… hahahahahaha!

não lembro quando foi a última vez que falei com ele sem ter mais ninguém por perto. só ele e eu / eu e ele… não lembro nem quero lembrar. afinal, no que ele entrou pelo meu tímpano esquerdo aos primeiros segundos de nossa prosa, senti algo muito poderoso… reconheci de estalo uma voz mega presente na minha vida mas que estava ausente há mais de vinte anos… porra, foi foda, lembrei do meu pai. caraca… e ele falando.

eu estava devastado pela emoção… quando ele disse:

– posso tocar uma música que você me ensinou a gostar

– não sei como consegui balbuciar: porra…

e, pelo celular, ouvi o paraíba tocando “lost in the supermarket”, do clash, no violão… PQP

imagina? mamãe… não me contive e perguntei: posso pedir uma?

ele: claro

esparramado no chão, às 14:06, vi estrelas com herbert tocando e cantando “tempted” do squeeze, inteirinha… J I S U S

ainda falamos do cerco planetário e comentamos a necessidade do humano se tocar de uma nova realidade, uma nova sociedade… e que nós (todos) não podemos ficar tanto tempo sem se comunicar.

é ou não é, paraíba?

zé da maré direto da maré…

“E aí Mauricio!

As coisas por aqui estão tranqüilas, excessivamente até…o termo “quarentena” ainda segue aparentemente desconhecido pela maioria das pessoas; estou saindo de casa pro básico, ir no mercado ou algo assim, mas vendo que o cotidiano segue praticamente inalterado, ruas movimentadas, bares cheios, a excessão foi a tradicional feira que tem aos sábados a mais de cinquenta anos, que não aconteceu pela primeira vez a duas semanas mas já está voltando aos poucos, e o baile que também estava a acontecendo aos sábados aqui perto (sempre com alguma atração de funk ou pagode e que reunia milhares de pessoas, a maioria vindas de fora) também não está acontecendo. Fora isso, a galera tá na onda do Leminski, “Distraídos venceremos” rs. Obviamente também tem muita gente que segue trabalhando pois quarentena não é opção no momento, se não trabalhar de dia, não janta à noite. Mas enfim, a percepção mais realista é que a maioria das pessoas está esperando dar uma merda , morrererem vinte daqui de uma só vez pra aí sim sossegar em casa ou ao menos sair de máscara; ainda não tem nenhum caso confirmado na Maré e espero que continue assim, pois se a coisa chegar aqui (e é só uma questão de tempo), deve se disseminar rapidamente devido ao movimento intenso de pessoas que ainda não pararam de transitar, a proximidade das casas, as ruas estreitas, entre outros fatores. Enfim, que essa praga passe o mais rápido possível e que os danos e mortes sejam abaixo que as estimativas.

Valeu Mauricio, abraço, até +”

Z

o #382, hoje, às 22h, com andré midani…

dá pra escrever um tratado sobre essa edição que colocaremos, hoje, no ar.

nandão e eu estaremos LIVE na reprise do programa com andré midani, no VAPODN#16… isso mesmo, a tradicional falation do roNca está de volta, acredite… beijos, nivers, comentários desnecessários, batatadas, vozes desequilibradas… claro, numa operação de guerra sem ostentação / sem mastiguete do BiBi / sem pós produção mas lotadinha de amor para deixar sua ralação com o roNca galgando parâmetros… tudinho através de uma revolução tecnológica implantada pela TI (tá iNdo) do roNca, em ribeirão preto… globalization descontrolada!

mas o principal é a visita de midani, o mais importante nome da indústria fonográfica brazuka e que subiu ano passado para encontrar hendrix e cartola.

um detalhe que torna esse áudio ainda mais inoxidável é o fato dele ter ficado desaparecido desde que foi ao ar, na Oi fm, em 25novembro2008… nesse tempo, estávamos em plena mudança de configurações de arquivos, registros, compartilhamento e etc… conclusão, as duas horas do programa sumiram.

até que, ano passado, após um grito de socorro no site, pipocou o ouvinte rudy com o áudio do programa na íntegra e ótimo som… UFA.

portanto, essa aula de paixão pela música oferecida por andré midani é, praticamente, uma edição do roNca quase-inédita… já que nunca esteve arquivada no site roNca ou qualquer outra maloca.

ah, não estás ligando o nome de andré midani , nascido em damasco / síria, a nada interessante na sua memória, né? então, pra você não deixar de ouvir o #382, recomendo uma passada rápida por AQUI.

é isso, teremos às 22h, aqui no poleiro, uma performance sônica com andré midani… e lembrando que estaremos AO VIVO, em momento “olho parado” total com as presenças de mamede, dona deza, rosvaldo, rola & toda a turminha… hahahahaha!

I M P E R D Í V E L

(+ itunes, spotify, mixcloud, tunein, castbox, deezer., google podcasts..)

fechando abril1 com Ele no “ocupa tempo” #3…

lembra quando eu disse no roNca que se o programa pudesse ser alguém da música a escolha seria nina simone? pois é, se eu pudesse fazer a mesma “brincadeira”, ronnie lane seria o eleito… mole, mole, mole, acredite!

ronald frederick lane, muuuuuuito ídolo (mas muuuuuuuuuito ídolo)

oh la la…

ian stewart, ao fundo, no piano… ele mesmo, o caboclo que fez os stones junto com brian

tem olhado pra Ele? (ou o céu que nos protege)…

os teóricos estão descabelados em análises profundas desse tempo ao redor… já percebeu?

mudanças à vista em todas as gavetas. situações inéditas, zilhões de fichas caindo (tipo “como nunca percebi isso?”)… e, talvez, a mais definitiva, uma realidade que nunca testemunhamos e que, provavelmente, jamais voltará a ser exibida.

uma dessas novidades é o céu? já levantou os olhos para encarar o “teto”?

como uma verdadeira aNta ambientalista, há dias venho olhando pra Ele… admirando, pensando: “mas que luz é essa”? ok, a época do ano ajuda muito… cheguei a comentar com algumas pessoas sobre a lindeza Dele, em todas as 24 horas.

até que fernando cravou: “tá foda mermo, culpa da falta de poluição”!

mamãe, claro… caramba, não tem busão, carro, fábrica, neguinho cuspindo pra cima, restaurante empestiando as ruas com gordura…

quando sua cidade respirou um ar tão puro e saudável? (que momento, hein?)

e ainda recebi essa matéria sobre a pauta… AQUI

muito prazer (ou it’s a family affair)…

(lucy & luca, rio, 1993)

psicólogos, entendidos, palpiteiros, sociólogos, jornaleiros, jornalistas, antropólogos, djs, modelos, manequins & manicures estão com um prataço diante de suas respectivas antenas: “que mundo é esse que estamos vivendo?”

pensa a seguinte situation aqui no nosso cantinho: mãe, pai (ambos trabalham fora), um filho de 18 anos, uma de 15, outra de 6 e outro de 3… há muitas famílias no planetinha com essa configuração, procede?

quantas vezes você acha que essa tchurma se encontra all together por ano?

posso chutar? nenhuma… nem no natal. nem no niver da mãe.

pois bem, nesse exato instante, estão todos amontoados… em mood almôndega total… se conhecendo, falando coisas jamais faladas, sabendo de detalhes amoitados, se beijando todos ao mesmo tempo, sendo apresentados uns aos outros. “mamãe, não sabia que eu tenho um irmãozinho. qual o nome dele?”… hahahaha!

ah, e com um detalhe: as duas avós que moram sozinhas, travadonas, se acomodaram na casa dos filhotes… JISUS!

ok, podemos matutar, simplesmente, um casal já separado / sem nenhum tipo de connection mas que habita a mesma maloca e que está coladinho right now. até quem sabe “matando a sodade” pra engrenar de novo… pensou?

delirante? provavelmente sim mas você pode imaginar trocentas outras situações familiares inéditas que estão acontecendo no planeta nesses dias de março2020.

tomara que existam documentaristas captando em imagens essas realidades cascudas… os teóricos, certamente, encherão páginas e páginas analisando essas e muitas outras preciosidades dos humanos.