fotografia

michel & nick…

comentei no #306 sobre a amizade de michel spitale e nick cave, em são paulo, no início dos 90, lembra?

a conexão deles gerou a inclusão do nome de michel na letra de “papa won’t leave you, henry” (acima) do álbum “henry’s dream” (de 1992) construído, em parte, sob a vibe paulistana.

no domingo, eles se cruzaram no espaço das américas…

e, ontem, a xeretinha registrou os dois, no rio de janeura…

lembrando que tudo faz mais sentido na matéria que colocamos AQUI

onde você encontra os dois e luke (o filhote brazuca)…

( :

o fatiamento de corações, mentes & almas…

clique avassalador de professor vidigas, THE butcher em candangolândia!

mas a situation é a seguinte, imagina você numa partida de futiba onde um dos times em campo terá como linha atacante: garrincha, puskas, van basten, maradona e edmundo… isso, massive attack com CINCO monstros para enfeitiçar seus olhos, arrancar sua língua pela orelha, para te levar ao prazer incomum. captou?

pois bem, transporte tudinho para um local abarrotado por uns sete mil espíritos em sintonia total com um palco habitado por jim, nick, george, warren, martyn, david e larry… percebeu?

foi isso que aconteceu, ontem (domingo), no espaço das américas (SP) na volta de nick cave & the bad seeds ao brasa, quase trinta anos depois… grosseria em dose industrial apoiada por repertório barra pesada e performance como poucas vezes temos a chance de testemunhar.

tendo as gavetas do roNca como referência, acho que a entrega de nick ao seu ofício no palco pode ser comparada ao desejo incontrolável de bruce springsteen em fazer amor com sua (dele) platéia… PQP, fueda!

já comentamos como o recente percurso de nick cave na música é algo sem muitos precedentes… de como ele superou tudo, de como conseguiu enfiar uma criação sônica foreta da massificação nas mentes de zilhões de novos ouvintes.

a audiência de ontem estava 1000% inserida na música das sementes… para mim, foi surpreendente a quantidade de gente cantando todas as músicas, palavra por palavra. o show levou por volta de duas horas e quarenta minutos, na maioria do tempo, eu tive pertinho (à esquerda) uma menina muito jovem (com a namorada) que chorou em várias canções, se requebrou, urrou, pulou e se despediu com o rosto de felicidade plena… à direita, um pouco mais distante, tinha uma outra, sozinha… cacilds, ela cantou TODAS as músicas, quietinha, paradinha, mergulhada na mais profunda parte da piscina… D+

no que entrei, hoje, no asa dura, de volta pro rio, quem passa por mim no corredor?

– hey, foi você que cantou todas as músicas de nick cave?

– hahaha… eu mesmo. adoro muito. sei tudo

“from her to eternity”, “jubilee street”, “tupelo”, “the mercy seat”, “red right hand”, “stagger lee” e a surpresa, na marra, de “jack the ripper” ficarão séculos e séculos ecoando pela minha existência… D+D+D+D+D+D+D+D+D+D+D+D+

sabe a sensação das coisas serem positivas? do mundo andar pra frente?

mas nem tudo foram flores no espaço das américas… pela primeira vez em sua vidinha, a coitada da xeretinha foi confiscada pela produção de um show (produção nick cave). até agora não entendi direito como aconteceu o fato e, na boa, prefiro não compreender o que levou a coitadinha da xerê a passar quase três horas isolada do mundo… parece piada mas é pura realidade… pelo andar da carrocinha rolou um mal entendido fuderoso envolvendo o credenciamento de fotógrafos com a produça do show (nick cave) que determinou que os retratistas teriam suas MEGA máquinas confiscadas após a única música autorizada a ser clicada e que, depois do árduo trabalho (!), seriam enxotados para as laterais do palco (na platéia) e ali ficariam, isolados (acredite!) até recuperarem suas ferramentas… hahahahahaha, que comédia.

ao saber desse mal estar, simplemente, comentei: “muito obrigado pela credencial mas eu não estou aqui apenas para fotografar. paguei o ingresso para me divertir vendo o show onde bem quiser e com quem quiser. portanto, não me interessa registrar uma música apenas (a primeira do show)… e se vocês estão proibindo a documentação profissional do show, fiquem sabendo que a pobrezinha da xerê está mil furos abaixo de 99% dos celulares aqui dentro”

nesse momento, brotou uma eficiente e simpática funcionária do espaço das américas super disposta a atenuar a nhaca… e conseguiu.

enfim, fui obrigado a me separar da chorosa xerê que soluçava: “nunca aconteceu isso com a gente”… e respondi: “meu amor, ja que estamos em são paulo, pense no ensinamento do grande boça – puta mundo injusto, meu”.

mas já está tudo certo… disse pra ela que nada irá substituir os cliques que deixamos de fazer mas que, entre mortos e feridos, esse 14 de outubro mostrou como não podemos viver separados

L O V E

( :

segura a viagem…

  1. Play Video

  2. Play Video

  3. Play Video

  4. Play Video

  5. Play Video

  6. Play Video

  7. Play Video

  8. Play Video

  9. (Introduced as “a prayer to Brazil”)

    Play Video

  10. Play Video

  11. Play Video

  12. Play Video

  13. Play Video

  14. (Nick walked in the crowd)

    Play Video

  15. (Audience members invited to the stage)

    Play Video

  16. (Audience members on stage)

    Play Video

  17. Encore:
  18. Play Video

  19. Play Video

  20. (First time played in 2018)

    Play Video

  21. Play Video

Note: Original setlist included Skeleton Key, Mermaids and Distant Sky as optional songs, as well as Jack the Ripper, which was played. Foi Na Cruz was attempted, but Nick Cave couldn’t remember the lyrics.

a bula do SGR#66 com samuel & henrique + link para ouvir o programa……

keith hudson – “black heart”

skank – “salto no asfalto”

pouso alto – “manha e malícia”

the beatles – “a day in the life”

giovani cidreira – “movimento da espada”

bob dylan – “i want you”

os mutantes & jorge ben – “minha menina”

milton nascimento & lô borges – “tudo o que você queria ser”

milton nascimento & lô borges – “um girassol da cor do seu cabelo”

milton nascimento & lô borges – “san vicente”

skank – “indignação”

ouça AQUI o programa

dórival…

estou na pista tentando levar bernardão bnegão para fazer umas fotocas nesse “logradouro”…

manja?

pois é, a via acima tem nome… melhor dizendo, NOME… mas, infelizmente, não há um cidadão brasileiro que resida nela… caramba!

é isso mesmo, as calçadas são – simplesmente – as laterais dos edifícios que se encostam nela… e, ao fundo, existe um portão de acesso… de acesso restrito (talvez sem uso) ao 23º batalhão da PM. mamãe!

ou seja, a rua não existe para a população carioca.

ah, tá… você está pensando que a História acabou por aqui, né?

mas ela está começando… afinal, a referida via “pública” tem dois nomes… não, não é piada, é fato. segura a vibe em suas esquinas com a avenida visconde de albuquerque…

captou? tá crendo? que momento!

as placas estão ali (aqui), lado a lado, com pouquíssimos metros de separação… e as nossas possantes prefeituras insistem em manter a grosseria ativa.

mas tem o mais sinistro de tudo, como DORIVAL CAYMMI pode dar nome a uma “rua” onde não há ninguém para encher o peito e dizer: “eu moro na rua dorival caymmi”.

mamãe, que lamentável, que dó!

qual a razão para arrancarem de nós esse prazer com gosto de acarajé mixado à maresia do leblon ou dos ventos de itapoã refrescando a cachaça da rua júlio de castilhos (posto6)?

jisus, não faltam ruas na cidade de são sebastião para (re)nomeá-las decentemente… por exemplo, a montenegro (i repeat a MONTENEGRO de ipanema) virou vinícius de moraes.

que tal começarmos JAH um movimento forte com bernardão à frente?

oxente, especialidade dele… especialidade nossa.

em 2016 o globo publicou (AQUI) uma matéria sobre a “rua”.

enquanto isso, a prefeitura pode arrumar a placa do cayme… sem esquecer as irmãzinhas da tonelero (toneleros / toneleiro), barão de jaguaripe (jaguaribe) e outras tantas.