historinhas

pic-nic…

tranquilão, no teto da notre-dame, em abril1981…

o incrível – para os tempos atuais – é como era possível ficar por horas no teto da catedral de notre-dame sem ninguém encher o saco, sem ninguém dizer “não pode isso”, “tempo esgotado”, “cadê seu passaporte?”… que momento!

mon dieu, ela resistiu à revolução, guerras mundiais…

e sucumbiu sob as chamas do capeta… PQP!

infelizmente, não tenho capacidade de colocar aqui a emoção de passar por Ela, colado à lateral, arrastando a mão na parede (PQP), na madruga friorenta da cidade luz, sem ter nenhuma pessoa por perto e aquele monstro escuro ali de butuca ligada… mamãe!

na edição do livro “preto e branco”, não poderia ficar de fora algum registro realizado Nela. acabou entrando esta cena típica do cinema búlgaro bem no teto da catedral, em abril1981…

+ serico e sandy…

+

mamãe

aTRIPINHA & aMÚSICA #23 (final com texto)…

lucas & a nação…

logo nas primeiras semanas de nossa retumbante ação aTRIPINHA & a MÚSICA, comentei no programa que tão inoxidável quanto o material fotográfico estavam sendo as mensagens dos papais e mamães sobre o envolvimento dos filhotes com aMÚSICA… e segui informando que não colocaria no site o referido escancarar de corações, lembra?

well, well, well, aqui estamos para fechar a tampa de nossa transgressora promô… e, para tal, colocarei as letrinhas do luis claudio, pai do lucas, que resumem – estrogonoficamente – nosso pensamento sobre música, pivetada, rádio, amor, dedicação, companheirismo, determinação…

######

Assunto: Lucas, cidadão do mundo

“Fala, Mauricio e Nandão.
Esse é o Lucas de 6 anos. Moramos em Brasília e ouvir o Ronca é programa de família aqui em casa. Até aí, nada que me surpreenda ou que surpreenda a qualquer outro desorientado da Tripa. Mas, por volta dos 3 anos, enquanto andávamos de carro e ouvíamos música, o Lucas pede, do alto da sua cadeirinha, “papai, bota o RoncaRonca”. Aí eu cheguei, mais uma vez, à parte funda da piscina da paternidade. O que é que faz um moleque de 3 anos pedir o Ronca?
Pouco tempo depois, ouvia um setlist com o Lucas e, quando Sangue de Bairro começou a tocar, meio que instintivamente, pulei a música. Achei muito pesada pra ele, sei lá. Daí vem o moleque de novo: “papai, que música era aquela?, “quero ouvir”. Claro que atendi… Uma, duas, três vezes. Disse o nome da banda, contei um pouco da história do Chico Science, e coloquei o Afrociberdelia pra tocar inteiro. O Lucas tinha acabado de descobrir seu primeiro álbum e banda favoritos. Que momento! Mas como é que uma criança de 4 anos pode, ao ouvir pela primeira vez, gostar de um som com a sofisticação e originalidade do CSNZ? Na parte rasa da piscina eu não encontro resposta.
Um grande abraço,”
Luis Claudio

caipirex, the taxi diver, tapioca, chuvarada e o quase pernoite…

“Salve, Simpatia!

Que chuva, hein? Na segunda fomos ao aquário lá no porto, saímos entre 5.30 e 6, e a chuva apareceu quando a gente tava no aterro, passando do Flamengo pra Botafogo. Quando chegamos aqui na Aníbal, a água já tava chegando no capô do táxi. No fim das contas deu pra chegarmos até a garagem do prédio ainda secos. O taxista ficou aqui com a gente pra comer tapioca e comer pão de queijo, pois não tinha como ir embora. Ele já tinha ligado pra mulher dizendo que provavelmente ia dormir aqui em Ipanema quando a chuva deu uma parada, a rua esvaziou, e ele tirou o time de campo.

Abração,”
Marcelo

renato, leon & alex…

Subject: A song for you e o macaquito
“Foste no alvo, hein? hã?!?!
AQUI

– Some people think that writing words just to fit a melodic idea makes those words meaningless, but I think the opposite is true. There’s a line in Leon Russell’s ‘A Song for You,’ one of the greatest songs of
all time: ‘If my words don’t come together / Just listen to the melody
for my love’s in there hiding.’ That makes a lot of sense to me.”

Renato

são caymmi & o ponto cego assassino…

como foi dito no #330, a prefeitura fez a gentileza de trocar a placa com a grafia errada de dorival caymmi… levou tempo mas corrigiu a nhaca. ALELUIA…

mas a poucos metros das placas podemos testemunhar outra situation inacreditável: a colocação de uma banca de revistas – que nunca vi funcionando – colada à faixa de pedestres da autoestrada lagoa barra, via onde os carangos trafegam em velocidades supersônicas.

pois bem, alguns dementes permitiram que a banca fosse instalada no meio do nada, ao lado da área de travessia criando um ponto cego assassino para quem vier de bicicleta, patinete, skate ou correndo… uma vez que a visão para a pista dos bólidos estará encoberta pela banca sinistra. sente a lateral do monstrengo lá do outro lado da autoestrada…

agora, prestenção no posicionamento da dita cuja, rente à faixa de travessia…

imagina quem vier tascado pela calçada pra cruzar a faixa de gaza e ao olhar pra pista, sentir que não tem nenhum foguete passando… e, exatamente, de trás da banca… PQP

certamente, será preciso acontecer uma tragédia para neguinho perceber o equívoco mortal e arrancar essa lata sem uso de uma área de altíssimo risco.

mamãe… até quando?

leon & alex (ou as declarações)…

claro que fiquei aguardando alguém do multishow informar aos apresentadores (caso eles não tenham percebido. seria possível?) que alex turner estava usando uma camiseta de LEON RUSSELL.

voces notaram o tamanho dos créditos ao final da transmissão? captaram a quantidade de neguinho no suporte da porra do “conteúdo”? PQP, será que ninguém se tocou que o alex turner ao usar uma camiseta de LEON RUSSELL estava fazendo uma declaração de amor? não houve viv’alma do canal que soubesse da importância de LEON RUSSELL no disco mais recente da macacada? ninguém percebeu que ele estava fazendo uma declaração política? será que ninguém da porra do multishow se sensibilizou que alex turner estava mandando todos eles pra PQP?

HAHAHAHAHAHA… alex nos representa 110%

uma canção pra você…

( :