historinhas

nightdreaming (ou a goleada de oxford)…

tinha nego preocupadão que o ex-HSBC estaria vazio para receber a rapaziada de oxford.

felizmente, a cariocada + muuuuuitos forasteiros fizeram o bonito de colocar uma plateia bastante numerosa no estabelecimento… apesar de não ter se mostrado muito conectada ao palco, manja? de onde eu estava (lonjão) não consegui perceber uma parceria caliente com thom & seus bluecaps.

um casal ao meu lado dizia, constantemente, que a banda estava jogando para a arquibancada… talvez, até mesmo, para a geral… como sou bastante leigo no assunto, eu estava achando ótimo o repertório… com várias músicas soando inéditas.

xeretinha meio que injuriada pela distância do palco… mas segurou a marola e ficou bem feliz quando o som melhorou MUUUUUUITO a partir da metade do show.

passei batido pelo junun e por flying lotus… uma pena!

como jogaram para a arquibancada, o oxford team deu goleada (como sempre).

já a arquibancada…

segura o setlist:

 

 

 

março2009 (com “dark star”)…

na real, no que abriu a porta, o som jah estava rolando.

lá em cima, o anúncio do show da apoteose (rio) que foi publicado na imprensa.

muitas recordações desses dois momentos INOXIDÁVEIS… como por exemplo, em são paulo, quando comecei a sonorizar o espaço gigante logo que abriram os portões, beeeeeem antes dos shows. o dia estava ensolarado, o gramado começou a encher, o som do PA estava brutalmente extraordinário… e me deu uma vontade arretada de sentir como ele (o som) estava chegando para a plateia. eu tinha que colocar uma música bem longa para dar tempo de dar uma circulada… pesquei a versão live com quase 25 minutos do grateful dead tocando “dark star” e dei uma atochada no grave do mixer… no que a grosseria começou, piquei a mula pro meio da rapeize… PQP, o som do baixo de phil lesh estremeceu a terra, a vibe ocupou todos os meus sentidos, me esparramei na relva e quase não deu tempo de voltar a tempo.

mamãe

qualquer hora dessas eu puxo a historinha com thom e tim buckley

( :

 

xôperrengue (ou saNdra iluminando nosso camiNho)…

não vou te enganar não… mas, volta e meia, bate um desânimo, um sentimento de impotência… um perrengue de não ver a roda girar como deveria. uma falta de esperança arretada… sacumé, né?

por aqui, a gente deve elevar as mãos aos céus, diariamente, em agradecimento. afinal, aTRIPA sempre aparece de peito aberto e disposta a bater de frente com a bad trip que insiste em botar as manguinhas de fora. procede?

mas até mesmo com toda a cumplicidade de nossa torcida… hummmmmmm, tem horas que a roda trava, o baixo astral chega brutalmente, uma penca de nhacas ocupa todos os espaços… PQP, xôperrengue!

e quando o caldo está prestes a entornar, eis que chega a saNdra… tal e qual a vinheta “jerônimo, o herói do sertão”…

“Salve, salve Mauricioooo…

Somos de Vila Velha no ES.

Sou professora de matemática e coordenadora pedagógica de Ensino médio, ouvimos seu programa assiduamente, pois tenho um maridão carioca (Alexandre Queiroz) e ele é seu fã desde sempre.
Moramos a 16km de nosso trabalho, gravamos o seu programa pra ouvir no carro e em uma dessas idas e vindas ouvimos sobre a Carta que o Renatão Russo te enviou as vésperas do reveion… me apaixonei pelo livro Cartas Brasileiras… comprei pra escola, devorei em 3 dias a leitura do livro e agora estamos fazendo o rodízio entre os alunos da 3ª série pré Enem… ronca ronca ajudando na preparação de nossos alunos.

Outra ferramenta pedagógica extraída do ronca…ao ouvir o programa que teve a entrevista do Gabriel Muzak, tivemos a ideia de fazer uma frase para o nosso mural conforme a foto em anexo, daí surgiu a ideia de fazermos umas camisas em um projeto que executamos com a 2ª série do Ensino Médio que se chama Gentileza gera gentileza…

Achamos que você ia ficar feliz em saber dos frutos do seu programa!

Grande abraço e fique na luz!”

Sandra e Alexandre

roger kedy…

infelizmente, foi confirmada a subida de roger kedy, ex-vocalista/guitarrista do grupo obina shok.

em julho de 2012, pipocou aqui no poleiro, a lembrança da fortíssima presença que a rapaziada multiracial de brasília teve em meados dos anos 80… de como a primeira demo veio parar nas minhas garras (flu fm) e a sequência de fatos que fez o obina shok galgar parâmetros… tá tudim AQUI!

em outubro de 2014, também aqui no poleiro, caí de boca no MEGA inoxidável show (foto acima) que o obina realizou no parque lage com o IRA, em outubro de 1985… isso, 1985… relembre AQUI.

no início de 1986, com o nome circulando loucamente pelas bocas & ouvidos dos fissurados em sons, o obina shok assinou contrato com a RCA e lançou o disco de estréia com as participações de gilberto gil e gal costa… a xeretinha registrou o momento em que roger e GG acertaram os ponteiros durante a gravina…

em seguida, veio mais um disco e o imediato desmonte da banda… ou seja, o obina shok estruturado sequer existiu por três anos… triste.

pra fechar, as letrinhas de juça (do circo voador):

as sementes hermanas…

como foi dito ali embaixo, nick & as sementes farão apenas um show em solo brazuka.

ótimo para quem reside em são paulo… meio complicadinho para os forasteiros.

portanto, vale MUUUUITO apurar a logística das visitas de nick a montevideo e buenos aires… e é bom colocar na balança não só a questão $$$ mas, sobretudo, os detalhes dos locais e dos periféricos (rapeize presente, o entorno, acesso & etc).

se eu morasse no rio grande do sul, não pensaria meia vez  em me mandar pra capital uruguaia… manja?

o teatro de verano é MEGA inoxidável… passei por lá com os paralamas:

claro, são paulo é uma gigantesca possibilidade de felicidade… mas está ali, não será desmembrada tão cedo (hahahahaha)… enquanto montevideo e buenos aires com a experiência de ter nick & as sementes lado a lado… putz, é de tirar o sono!

( :

o adeus ao russel 434…

dei um chego, hoje, à rua do russel 434 para dar o byebye derradeiro… todos os andares vazios, quase ninguém pelos corredores… quer dizer, muita gente pelos corredores: não citarei (de novo) as peças que fizeram a História do endereço e que não estão mais em solo terrestre. dezenas de estúdios já estavam fechados, lacrados, a discoteca já havia partido pro ralo… boa parte da operação do SGR vem acontecendo de um estúdio construído no PROJAC. portanto, o russel ficou agonizando nos últimos meses… para mim, uma tristeza gigante. para muitos outros: “já vai tarde”… ou então: “aquilo lá não tem nenhuma importância, viva o futuro”.

ok, cada um é cada um, essa é a graça… mas a xeretinha se derreteu toda ao cruzar com o monumental claudino…

com o coitadinho do piano que NUNCA vi ser usado…

e com os dois edifícios (o 434 à esquerda) que, em breve, poderão ser um hotel, uma MEGA farmácia pacheco, um hospital, uma escola, um condomínio…

bye bye

a mudança…

desde os tempos do radiolla na globo fm, no início dos anos 90, até hoje – com o “em cartaz” de terça feira (23h) – faço absoluta questão de reverenciar o mítico endereço do SGR (sistema globo de rádio): rua do russel 434

caramba, minha paixão pelo rádio está ancorada nesse pedaço do rio de janeiro. foi ali que big boy transgrediu/revolucionou o dial. pelos corredores do russel 434 circularam as entidades que alimentaram meus sonhos (todos): saldanha, adelzon alves, waldir amaral, apolinho, edison mauro, josé carlos araújo, os inúmeros programas de humor, jornalismo e os inoxidáveis efeitos de áudio.

mas o planeta gira, a tecnologia ocupa espaço, o $$$$ encurta, o rádio deixa de ter a relevância de outros tempos, a integracão das plataformas determina o trepa-trepa de funções… e a mudança de estrutura passa a ser vital… seguindo essa bula, o SGR estará de residência nova no infoglobo, rua marquês de pombal, ao lado da rua irineu marinho onde a rádio nasceu, em 1944.

semana que vem, colocaremos no ar a saideira do russel 434… um endereço do tamanho de 10 downing street ou barata ribeiro 200. uma marca que reinou de 1972 a 2018… e que, lamentavelmente, será esquecida pelas novas gerações.

pra fechar, uma imagem de 1970 durante a construção do SGR, na rua do russel 434…

cineminha david byrne…

vamos com calma… mas quem esteve, ontem, no rio de janeiro tem debaixo do suvaco:

sócio fundador do talking heads, parceiro de brian eno no MEGA extraordinário “my life in the bush of ghosts”, criou a descabelada trilha para the catherine wheel da coreógrafa twyla tharp (em 1981), gerencia o selo luaka bop (responsável por trocentos lançamentos brasileiros/africanos/caribenhos/asiáticos/marcianos), tem 11 discos solo e zilhões de parcerias/participações, produziu (em 1983) “waiting” espetacular segundo disco do fun boy three (ex specials), escritor, ativista, ciclista, fuçador, escocês de nascimento, iluminou a existência de tom zé… enfim, quando ninguém mais esperava testemunhar algo de novo sobre um palco musical, david byrne chutou a bunda dos incrédulos (chegou a doer na minha):

uma noite que ficará reverberando forévis… fueda!

 

o programa de phil…

no início de março, passou aqui pelo tico a info – enviada pelo fernando – sobre a publicação de uma fotografia da xeretinha (com crédito e tudo com a minha letra) que foi usada no MEGA (31 x 31, 24 páginas + anexo fotográfico de 6 páginas sobre os ensaios) catálogo/programa da turnê mundial de phil collins que foi vendido nos shows brasileiros.

como não fui ao maracanã pra conferir mister collins e nenhum conhecido presente no ex-maior estádio do mundo percebeu a venda do referido programa, acabei sem saber do uso da imagem… até o fernando neumayer se manisfestar.

através de uma ação barra pesada envolvendo inúmeros traficantes do showbusine$$, finalmente, recebi o artefato…

o “hello crazy people” da História é que não tenho idéia de como essa fotografia foi parar nesse programa inoxidável cuja única imagem creditada é a da xeretinha… jisus!

( :