imprensa

a mesma piada de sempre…

s.jujuba3

normal, esse tipo de “tratamento” já é conhecido há mais de cem anos…

Ministério Público do Rio interdita São Januário por 180 dias; clube vai recorrer

Estádio do Vasco é fechado após o conflito ocorrido no clássico com o Flamengo, dia 8 de julho, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro

vou ali na esquina dar umas gargalhadas por conta do MP… de onde ele é mermo?

ahhhhh, tá… MP do estado do rio de janeiro

comédia!

as baleias estão chegando…

juba

(foto: leonardo merçon)

Assunto: MaNto

“Oi Mauval,

Rodrigo me presenteou com um manto pirata, com o logo do roNca roNca 100% manufaturado. Soube que foram só alguns poucos agraciados nesta produção. E estou abafando, toda pimpona, manja?! Coisa fina – vogue arabian style.

Mauval, as baleias já estão por aqui, no maior clima de paquera, nas aguinhas quente do Atlântico. De julho a outubro elas estarão procriando a poucas milhas de Victória, batendo o rabinho, levantando as nadadeiras, saltado de costas, de frente, de lado, bufando aguinha, coisa louca! Fui lá vê-las com o Mestre biNo, a bordo do seu queimador de óleo diesel. Massa hein, elas são lindonas, enormes e dóceis. E te conto mais, tínhamos um hidrofone e deu para ouvi-las: pense numa conversinha musical entre Laurie Anderson, Bjork e Yoko Ono. Fascinante. Enfim, enquanto em terra firme continuamos straight to hell, boy; pelo menos no mar, neste exacto momento, as baleinhas estão se divertindo.

Grande beijo.”

Sissi

manto

o exemplo aos predadores da justiça…

vasco.santos

ainda agora (são 13h), dei uma ligada para vaguinho, o maior e mais descabelado componente da crônica esportiva no cone sul.

a pauta do papo foi saber dele a razão pela qual os gênios da justiça (?!) esportiva (?!) brasileira optaram por fazer vasco X santos, hoje, no engenhão, com portões fechados.

PQParille, só em escrever isto me dá uma vontade incontrolável de gargalhar e chorar ao mesmo tempo… enfim, o estrogonófico vaguinho – educadamente – respondeu:

– é claro que esses FDP não querem nada além de fazer merda. a preocupação deles está longe de ser algo educativo. não estão nem aí para tentar resolver essa desgraça. longe de, realmente, punir os envolvidos nos lamentáveis fatos que rolaram em são januário. porra qual a participação do estádio no que aconteceu no vasco X fla? o estádio tem culpa? são januário desabou? houve invasão do espaço reservado pra torcida do fla? por que a justiça não grampeou o eurico como responsável direto pelo fatos? por que não identificaram 90% dos que apareceram na TV fazendo merda? porra, estão todos lá com as carinhas à disposição dos que são realmente interessados em combater essa doença. mas não, como esses FDP não sabem o que fazer, seguem o caminho mais fácil e que dá a eles a máscara midiática de paladinos da justiça. cambada de imundos… e ainda puniram torcida do santos , arrancando dela o direito de vir ao rio … e, mais ainda, privaram todos os que gostam de futebol no brasil de assistir, decentemente, a um dos maiores clássicos dessa merda de país.

well, well, well, vaguinho seguiu – inoxidavelmente – no desfile de razões que justificou a maluquice dos gênios da justiça (?!) em colocar vasco X santos no engenhão sem torcida… quando, ao interromper o discurso, levantei a questão:

– mas vaguinho, se essa corja conseguisse pensar em algo positivo-moralizador-inovador e que não punisse, injustamente, o estádio e a torcida do vasco (que NADA têm a ver com a desgraceira) que tal seria se eles dessem a idéia de manter vasco X santos em são januário, EXCLUSIVAMENTE, para crianças e mulheres?

e vaguinho respondeu:

– porra, mas aí, é ser muito inteligente e criativo, coisa que está anos luz dessa gente inútil… bastaria seguir o exemplo que aconteceu na turquia com o  fenerbahce que passou pela mesma situação de violência da torcida mas a justiça de lá optou por algo totalmente moralizador e que, acima de tudo, preservou o clube e a verdadeira paixão de seus verdadeiros torcedores!

fica o exemplo pra essa quadrilha que tem como objetivo principal acabar com o futebol…

fute

incrível, fantástico, extraordinário (ou o baú#5 nesse domingo)…

sequestro

o “baú da globo” nesse domingo, às 23h (em AM,FM,web) apresentará três atrações:

– a estrogonófica entrevista de silvino neto (pai de paulo silvino) no programa de haroldo de andrade, em 1967. para contextualizar silvino em nosso mundinho, é bom informar que ele é o responsável por muitas vinhetas que usamos há anos. tipo, “só encosta”, “abra a porta”, “fritando uns pasteizinhos” e por aí vai. silvino foi o vereador mais votado no rio de janeiro, em 1950… e é reveladora a forma como ele relata a razão pela qual mergulhou na política. fueda, há 500 anos só mudam as moscas!

– os paralamas do sucesso, em 1988, no canecão (rio), lançando “bora bora”

+

– as gravacões INACREDITÁVEIS do primeiro sequestro (com resgate) que aconteceu no brasil… é papo de deixar orson welles com vergonha de “a guerra dos mundos”

IMPERDÍVEL

orson

são jujuba, meu amor…

geral

por Luiz Antonio Simas

Não é apenas sobre futebol. É sobre a cidade. A tragédia de ontem em São Januário é derivada de inúmeros fatores, tais como o despreparo da PM, a crise política do Vasco, a cultura da violência como elemento de sociabilidade entre membros de torcida, a construção de pertencimento a um grupo a partir do ódio ao outro (elemento marcante da relação entre Vasco e Flamengo nas últimas décadas), o esfacelamento da autoridade pública no Rio de Janeiro, etc.

Ela tem como pano de fundo, todavia, o assassinato do Maracanã. Morte matada, cruel, pensada nos gabinetes mais sórdidos do poder. Como um sujeito que tenta participar minimamente do debate público sobre a cidade, escrevi sobre isso em O Globo (Santuário Profanado, 26/12/2011) e em O Dia (A cidade era o Maracanã, 27/04/2016). Retomo aqui algumas ideias daqueles artigos.

O Maracanã talvez tenha sido a maior encarnação, ao lado das praias, de certo mito de convívio cordial, ao mesmo tempo sórdido e afetuoso, da cidade do Rio de Janeiro. O estádio foi pensado, em 1950, para ser frequentado por torcedores de todas as classes sociais, mas não de forma igualitária. Ele foi espacialmente dividido, como se cada torcedor tivesse que saber qual é a sua posição na sociedade: os mais pobres na geral, a classe média nas arquibancadas, os mais remediados nas cadeiras azuis e os mais remediados ainda em suas cadeiras cativas.

Esta fabulação de espaço democrático que era o antigo Maracanã, todavia, ainda permitia duas coisas que nos faziam acreditar em uma cidade menos injusta: a crença num modelo de coesão cordato, em que as diferenças se evidenciavam no espaço, mas se diluíam em certo imaginário de amor pelo futebol; e a possibilidade de invenção de afetos e sociabilidades dentro do que havia de mais precário. A geral – o precário provisório – acabava sendo o local em que as soluções mais inusitadas e originais sobre como torcer surgiam.

A geral era, em suma, a fresta pela qual a festa do jogo se potencializava da forma mais vigorosa: como catarse, espírito criativo, performance dramática e sociabilização no perrengue.O fim da geral, a rigor, poderia ser defensável, considerando-se a precariedade do espaço. O problema é que ele veio acompanhado de um projeto muito mais perverso: não era a geral que precisava sumir; eram os geraldinos. Na arena multiuso, interessa um público restrito, selecionado pelo potencial de consumo dentro dos estádios e pelos programas de sócios torcedores. Facilita-se assim a massificação das transmissões televisivas por canais a cabo.

O fim da geral foi, simbolicamente, o esfacelamento de um pacto de cordialidade que usou o manto do consenso para desenhar simulacros de democracia na cidade. Mas até isso já era. Prevalece agora a lógica da exclusão explícita.

Noves fora isso, a destruição do Maracanã fez parte do projeto mais amplo de assalto ao Rio de Janeiro promovido pela organização criminosa de Sérgio Cabral / Pezão e comparsas.

Eu não acredito em qualquer pacto ou em qualquer reconstrução da cidade do Rio de Janeiro – esfacelada, aniquilada, assaltada , extorquida, mediocrizada – que não passe pela devolução do Maracanã aos cariocas.

Um efeito perverso, dentre vários, que vai ser gerado pela noite triste em São Januário é o reforço do discurso dos que acham que o futebol tem que ser mesmo elitizado. Outro efeito deletério é a desqualificação de São Januário, um templo da cultura carioca e um patrimônio do Brasil que, todavia, não pode comportar clássicos.

Desculpem-me os que acham que estamos discutindo futebol ao debater o que aconteceu em São Januário e o crime cometido contra o Maracanã. Não é isso. Nós estamos discutindo a cidade e o Brasil como mínimas possibilidades de convívio digno, fraterno e inventivo entre nossas gentes.

####

infelizmente, não conheço o luiz antonio.

assim como ele aponta a morte do maracanã como causa do esfacelamento democrático no mundo da bola, ele anexa o desejo gigantesco da mídia gourmetizada, padrão FIFA, “meu barça” de implodir o estádio do CRVG.

não vou entrar aqui, evidente, em disputas clubísticas mas para entender o que estou tentando dizer, basta alargar ainda mais o texto do luiz na direção de são januário, símbolo máximo da zona norte carioca / centro da extrema democracia racial / exemplo inoxidável de convívio pacífico com os desprovidos de tudo / templo eterno da força do povo.

sempre foi muuuuito duro para a zona sul aceitar essa distância “filosófica”. imagina agora, onde  o preconceito assume proporções medievais.

ontem mesmo, ao final do jogo (num pé sujo da ZS frequentado por porteiros-flanelinhas-desempregados-traficantes de vinil), um desses signatários do desconhecimento globalizado gritava: “a culpa é da barreira do vasco” (a barreira é a favela colada a são januário).

olhei pros cornos dele e disse: “oh maluco, você já foi lá pra dizer essa merda?”

o fato é que quanto mais a sociedade (via mídia) se mostra includente, a realidade deságua em um pântano habitado pela mais fina flor da intolerância… e da barbárie.

simples assim

territorio

“joão sem medo” por joão máximo…

   js
(foto, arquivo o globo)(?!)

POR JOÃO MÁXIMO 02/07/2017 4:30

Certa vez, apresentando João Saldanha ao público que lotava um teatro para vê-lo, defini-o como um carioca de Alegrete que podia orgulhar-se ser o único técnico de seleção brasileira abençoado com as graças da unanimidade. Aquele homem que acabara de palestrar sobre uma de suas paixões – o futebol – fora responsável por devolver à seleção, nas eliminatórias de 1969, a credibilidade que ela perdera na Copa do Mundo de três anos antes. Como? Combinando ao seu conhecimento o charme, o carisma, a astúcia, a simpatia, o humor e o jogo de cintura do bom carioca nascido nos Pampas.

Só depois, em conversa com pessoas da plateia, descobrimos que elas admiravam João Saldanha por razões diversas: o técnico, o comentarista de rádio, o dos cinco minutos de TV, o cronista de jornal, o homem que vira “todas as Copas do Mundo”, o conversador de tiradas saborosas, o contador de histórias, o grande personagem. Eram tempos de chumbo. E muitos dos que ali estavam viam no palestrante a figura que, no futebol, simbolizava a oposição à ditadura que acabara de faturar, indevidamente, o tri brasileiro no México.

Ninguém chegou a falar do João Sem Medo, brigão, destemido, ou do ex-garotão de praia, amigo de Heleno de Freitas, Sandro Moreyra e Salim Simão, todos botafoguenses. Muito menos do candidato a vice-prefeito do Rio, do ator de cinema ou da autoridade em escolas de samba, papéis que, afinal, ele só representaria mais tarde.

O centenário de João Saldanha é mais uma oportunidade para repetir que ele foi muitas pessoas para muita gente. Não há como defini-lo sem o risco de nos perdermos pelos atalhos de sua personalidade. Nada a ver com os cinco casamentos. Nada a ver com sua eterna fidelidade ao Partido Comunista. Nada a ver com as tantas viagens com que confundiu nossas cabeças (na Normandia com Montgomery, na Grande Marcha com Mao Tsé-Tung, na Coreia como correspondente de guerra), mas tudo a ver com seu fascinante modo de ser. No futebol, único.

O Botafogo deve muito a ele o Campeonato Carioca de 1957 (naturalmente, menos do que deve a Garrincha e a Paulo Valentim). Também deve a ele, novamente em parte, o Brasil do tri. A quantidade de trapalhadas que cometeu nos primeiros meses de 1970 (sair armado atrás de Yustrich, tentar ser técnico e jornalista ao mesmo tempo e apregoar as limitações visuais de Pelé) deram armas para que os homens da ditadura, que o detestavam, o substituíssem. Isso depois de João Saldanha ser, à frente da seleção, a figura mais popular do Brasil em 1969. Nem Roberto Carlos, nem Chacrinha, nem Pelé, mas ele, João. Até os paulistas aprenderam a gostar dele, depois de o rejeitarem em manchete de jornal: “Perdemos a seleção!”.

João Saldanha nunca se referiu ao substituto com inveja, nunca criticou o seleção da qual fora banido, nunca se ressentiu do médico e do preparador físico que o boicotaram. Era das melhores facetas de seu caráter. A outra, a lealdade aos amigos. Quem conviveu com ele em redação de jornal, nos últimos 14 anos de sua vida, é testemunha disso. E de como ajudava os mais jovens, o estagiário, garotos e garotas que se aproximavam como quem se chega a uma lenda e que encontravam nele um igual. Leal e companheiro, deixou no jornalismo esportivo um vazio.

Passional, fez pela vida afora muitos inimigos. Na política, claro, e no futebol. De revólver em punho, correu atrás de Manga quando soube que o goleiro queria refutar no braço a sugestão de que tinha se vendido. Na véspera, a briga foi com o contraventor Castor de Andrade, que dizia ter comprado Manga. De outra feita, deu um tiro nas prateleiras do comerciante que vendera pilhas gastas à sua empregada. Sua noção de justiça, sua defesa do que achava certo, também era parte do caráter que dizia ter herdado do pai, bravo maragato das querelas gaúchas do começo do século passado. Ele e o irmão Aristides, também valente. Os dois só não combinavam como torcedores: João, do Grêmio, Aristides, do Inter.

As histórias são muitas, as vividas e as imaginadas. Como disse Marcos de Castro, ao escrever sobre ele, João Saldanha não mentia. Mitômano, simplesmente acreditava nas coisas que contava, às vezes para perplexidade de quem as ouvia. E, no entanto, muitas daquelas histórias eram pura verdade. O desafio ao general Médici, que queria Dario na seleção, realmente aconteceu: “O presidente escala o ministério dele e eu escalo o meu time”. Ficou assim como uma declaração de princípios: não haveria de ser com sua ajuda que os generais da vez iriam vestir a faixa do tri.

É irônico que tenha morrido na Itália, durante uma Copa do Mundo em que a seleção brasileira passou a praticar o mau futebol que ele tanto combatia. Sempre sem medo, viajara muito doente, sem ouvir conselhos médicos, para se despedir, do futebol e da vida, em pleno campo de batalha.