cabelo

pelo fio de cabelo do cabelo…

cabelo

cabelo, o sorridente violonista/dejóta/compositor/artista plástico/fio desencapado/poeta/queridérrimo/leNda, estava semana retrasada a bordo de seu carango na lapa… tranquilão, aguardando o sinal abrir, quando – de repente / sem nenhum aviso prévio – um MEGA ônibus “estacionou” em cima de sua própria viatura, sobre seu colo…

cabelo-carro

captou a grosseria?

semana passada, tive oportunidade de fazer a profunda indagação a nosso ídolo:

– mas porra, e aí?

cabelo: é, dei uma gingada pra direita e sartei inteirão. quer dizer, o cotovelo tarra doendo um pouco

quem sabe sabe… quem não sabe bate palma!

mamãe!