jimi hendrix

começou…

http://www.youtube.com/watch?v=0XZpYfyuhFA

“Long Hot Summer Night”

It sure was a long long long hot summer night
As far as my eyes could see
Well my heart was way down
In a cold cold winter storm.

Well my darlin’ where can you be?
Where can you be baby?
Where can you be?

There were three sugar walls and a two candy cane windows
But the serious mood melted ah all those insight
Everybody’s on fire but I’m uh snowin’ in a cold blizzard.

Where are you on this ah hot cold summer?
Where are you on this ah hot cold summer?
Where are you on this ah hot cold summer night?

Around about this time the telephone blew it’s horn across the room
Scared little Annie clean out of her mind and I tell ya
Roman the Candle he peeps out of his peekaboo hide and seek
And grabbed little Annie from the ceiling just in time
And the telephone keeps on screamin’.
Yeah yeah yeah!

Yeah, yeah, yeah, yeah!

Hello said my shakey voice, well how you doin’
I start to stutter
Ah can’t cha tell I’m ah doin’ fine
Do was my baby talkin’ she’s way down ‘cross the border.

She says I’m gonna hurry to ya I’ve been a fool
And I’m tired of cryin’
Said I’m tired of cryin’.

Yeah a long long hot summer night
As far as my eyes could see
But I can ah feel the heat comin’ on as my baby’s gettin’ closer.

I’m so glad that my baby’s comin’ to rescue me
So glad that my baby’s comin’ to rescue me
So glad my baby’s comin’ to rescue me
Rescue, rescue, rescue
Rescue, rescue
Rescue, rescue, What’d I say
Rescue me, rescue me
Rescue, rescue me, rescue me
Rescue

 

tradition, the future, outer space, electricity, armageddon, death/rebirth…

http://www.youtube.com/watch?v=pn0btWk46jU

The History of Rock ‘N’ Roll in 1 Song

In his new book, Greil Marcus brings us The History of Rock ’n’ Roll in Ten Songs. But rock only needs one—Jimi Hendrix’s 1968 “Voodoo Child (Slight Return).”
 
.

“The great Greil Marcus, whose rock-critical illuminations—in books likeMystery Train and Lipstick Traces—sent stroboscopic shafts into the black forest of my early manhood, is about to publish a volume titled The History of Rock ‘n’ Roll in Ten Songs.

So naturally my first thought was: I bet I can do it in five.

And my next thought was: Nah. Five songs is too many. And also too few. Five is a clutter, a randomness, a gallimaufry.  If it’s not going to be 10, it’s got to be one. The history of rock ‘n’ roll in one song.

And if you want a song that does it all—that includes tradition, the future, outer space, electricity, armageddon, death/rebirth and the first stirrings of music itself—then there really is only one song: “Voodoo Child (Slight Return)” by the Jimi Hendrix Experience.”

aproveitando o niver Dele, hoje…

“Cacildas, Mauval!!

Electric Ladyland! Você tem o disco com essa capa das senhoritas bastante à vontade? Lembro que você me disse uma vez que este é seu disco favorito! Já li que o Hendrix não gostava dessa capa. Parece que a arte foi desenvolvida pelo departamento de arte próprio da track records à revelia do gênio. Ele preferia a capa da edição americana com fotos da Linda Eastman.
Engraçado/curioso como os selos que lançavam os discos Dele nos EUA e na Inglaterra eram diferentes e parecidos. ahahaha Na Inglaterra o selo era um voltado para o rock mais prafrentex que rolava, a Track Records, dirigida pelos empresários do The Who. Nos Estados Unidos, era a gravadora do Frank Sinatra, a Reprise Records, que na época lançava artistas como o próprio clã Sinatra, Sammy Davis Jr., e também Kinks (para o mercado americano), Joni Mitchell, Neil Young.
Coisa fina!
abraços e SV,”
Igor
detalhe:
só coloco, aqui no tico, as capas fotografadas dos discos em vinil que são tocados no programa.
como, ontem, o electric ladyland foi executado em cd… não foi preciso usar as imagens que ilustram a mensagem do igor!

FÉ cega!

ok, caso você não queira acreditar… beleza, sem poblema!

mas vou relatar o fenômeno quântico/psicodélico/meteorológico/cabeleiraltíssima que aconteceu ainda agora.

como eu disse ali embaixo, fui ouvir meia horinha de “electric ladyland” para me aproximar, ainda mais, do aniversariante de hoje.

catei a primeira edição que tive do disco… cacilds, há muitos anos eu não o tirava do plástico protetor!

mamãe… que emoção… logo hoje!

enfim, passei uma flanelinha e taquei agulha no lado A!

chovia para meirelles na cidade de são sebá… mas chovia muuuuuuuito!

hendrix entrou que foi uma beleza em meio à tempestade… sinistra!

“and the gods made love” me virou ao avesso! o vinil estalava para todos os lados dando ainda mais autenticidade ao “corpo a corpo”!

estás captando a vibe?

“have you ever been to electric ladyland” violentou meus sentidos, minhas lembranças… caraca! comecei a sentir cheiros, ouvir vozes, ruídos…

ok, sempre foi assim com Ele. juro!

“crosstown traffic” deu uma sacodida… fiquei mais alerta… a turbulência melhorou, quer dizer…

na passagem para “voodoo chile”, pintou uma claridade no ambiente, o vento sossegou, os pingos silenciaram…

“voodoo chile” entrou com o SOL… o tempo mudou radicalmente. da tempestade para o mais ensolarado minuto de 2012!

como assim, bial?

hahaha… como assim? é sempre assim com Ele… ainda mais, aos 70, exatos!

a xeretinha tratou de registrar a desorientação cósmica:

qualquer hora dessas, conto a Historinha do autógrafo que tenho nesta edição do meu disco favorito de todos os tempos…

e com todos os tempos!

( :