locomotiva discos

“preto e branco” em são paulo…

muito bom informar que a loja locomotiva discos está com o livro “preto e branco” em suas prateleiras juntinho com a mais fina seleção de pepitas sonoras…

locomotiva

Rua Sete de Abril, 154 – (Rua Alta / subir escadas rolantes) – Loja 8
Galeria Nova Barão
(Metrô: Anhangabaú ou República)
(Entrada também pela Rua Barão de Itapetininga, 37)
Aberta das 10h às 20h.
(sábados até as 18h – domingo fechado)

locomotiva & RSD…

sp

 

Assunto: Podcast Ronca Ronca e o Record Store Day

“Olá Mauricio, tudo bem? Aqui quem escreve é o Gilberto da Locomotiva.

Eu estava ouvindo a última edição do Podcast Ronca Ronca, que peguei como download gratuito no iTunes. É muito bacana, sempre que sobra um
tempo eu ouço o programa, gosto bastante. O mais legal foi que nessa última edição você citou a Locomotiva Discos como exemplo de esforço
para fazer algo no Brasil em comemoração ao Record Store Day.

Eu agradeço a citação e fico feliz pelo reconhecimento.

Realmente nós sempre nos preocupamos em fazer algo na data, mesmo sem poder trazer os discos importados e sem contar com o apoio de nenhuma
gravadora mainstream ou independente nacional.

Não sei se você sabe como funciona a distribuição dos discos lançados no Record Store Day nos Estados Unidos e na Europa? Para não ter problemas das lojas gringas venderam os discos antes, eles só liberam
a distribuição dos discos faltando uma semana da data. Nós aqui no Brasil, para receber os discos em uma semana, teríamos que pagar um valor muito alto de frete e impostos, impossibilitando a
comercialização dos discos no fim das contas, devido ao alto preço final.

Mas nós conseguimos os discos depois da data. Temos canal para conseguir os discos e eles chegam para a gente, mas depois de um ou duas semanas do Record Store Day. Nós já pensamos em viajar e pegar os
discos para trazer na mala e assim ter os discos em mãos na data correta. Ano passado a gente ia fazer isso, esse ano também, mas o aumento do dólar estragou os planos. Em todo caso, está nos planos
para o ano que vem.

Nós achamos a data muito importante e a razão pela qual nós sempre nos esforçamos em fazer algo é devido a facilidade em divulgar o evento na
mídia. Esse ano um jornalista da Folha de São Paulo, o Lucio Ribeiro, nos escreveu pedindo que fizéssemos algo, pois ele iria ajudar na divulgação. Nós decidimos fazer uma Feira de Discos no MIS (Museu da
Imagem & Som), que é um local super bacana e São Paulo. O evento teve alto destaque na mídia. Veja no anexo alguns exemplos.

É justamente isso que as gravadoras brasileiras não sacaram ainda. O evento é uma ótima forma de divulgar os discos que poderiam ser lançados na data. Eu tenho certeza que essa divulgação iria
impulsionar a venda de algum título lançado no Record Store Day.
Acredito que eles nem saibam da força que o evento tem na mídia. Você
citou no programa o compacto do Novos Baianos. O compacto saiu, mas
não foi bem divulgado, poucas pessoas sabem! Custava ter lançado o compacto no Record Store Day? Certamente iria gerar um burburinho na
mídia.

Eu estou preparando um e-mail para enviar a todas as gravadoras sobre o assunto, para quem sabe, no ano que vem, a gente se organizar
melhor. Se você puder dar uma força, pois sei que você tem vários contatos, será muito bacana!

Abraços!”

Gilberto