marcelo “caipirinha”

caipirinha news (ou RSD2017 + “não ao futiba moderno”)…

fut.mod

“A Jumbo Records mudou pra uma loja maior aqui em Leeds. Pertinho de onde era antes, mas com mais espaço pra mostrar os discos que tem pra vender, umas “modernidades” (você agora pode ir lá pra tomar café espresso sentado em confortáveis poltronas de ocuro), um palco pra promoção de discos/bandas/shows, som melhor e mais espalhado que antes, e uma coisa que me faz pensar na finada Modern Sound em Copacabana: uma combinação infeliz de luz e posicionamento dos discos que causa reflexo demais, dificultando a gente ver/ler as capas. Comentei com eles poucos dias depois da mudança (que aconteceu tem umas duas semanas), eles disseram que não tinham percebido, e que iam dar uma olhada.
No RSD eles vão ter um punhado de bandas tocando lá, umas 6 ou 7, eu acho, mas nada de especial. Falando em RSD… algum pedido esse ano?
E falando em pedidos… my dear, acho que esse ano tá arriscado eu não aparecer no Patropi. Deixa minha cópia do livro embaixo de colchão que é pra ninguém levar, valeu? Tem uma chancezinha de eu aparecer aí em agosto, mas o mais provável é que seja na semana santa de 2018.
OK, agora vou desligar… que ainda tenho que dar comida pro cachorro antes de sair pro pub pra ver o jogo do Leicester contra o Atletico (ontem). Se tiver com cara de 0 x 0, tem sempre a possibilidade de ver Real x Bayern em outra televisão, mas esses jogos de superpowers não andam me interessando muito não. Inevitavelmente, o tempo vai passando e eu vou ficando cada vez mais British. Olha só: tem poucas semanas fui ver fui ver Bradford x Bolton pela terceira divisão daqui, 2 x 2 no estádio (pequeno) do Bradford lotado, achei mais legal que qualquer uma das minhas passagens pelos estádios de Londres, todo mundo cantando do começo ao fim, sem aquela atmosfera de teatro de shopping centre dos estádios do Arsenal ou do Chelsea…
Isso aí, vou nessa – abração,”
Marcelo///
RSD2017

diz pra gente, “caipirinha”…

ronca_palma

Salve Simpatia!

My dear, se você tivesse posto esse email no tico-tico eu já teria respondido há um tempão… Por aqui tá rolando uma confusão com os meus emails (e de muitos outros na universidade), e emails que passam por lugares “suspeitos” antes de chegar  estão indo parar na caixa de spam, que eu fui olhar hoje justamente por cause desse problema…

– como caiu aí o nobel de bob?

Caiu bem. As pessoas sensatas quase que todas acham coisa merecida, embora nos web sites/TVs/jornais/etc sempre role o debate habitual. Claro, eles sempre encontram alguém pra dizer que tá tudo errado. Mas nesse caso, os descontentes saíram com menos credibilidade do que os que não acreditam am aquecimento global, nem na teoria da evolução, nem que algum astronauta pisou na Lua. Ficaram ali naquele nível de quem diz que cigarro não faz mal nenhum.

Lá em Duluth é que parece que a notícia não caiu, né?

– que tal o jeremy corbyn?

Ele é uma espécie de Mujica daqui… político desde faz muito tempo, mas desses que nunca se comportou como político “profissional” (no mau sentido da palavra). Os “profissionais” dizem que ele jamais será eleito… que é a pior coisa que já aconteceu com o Labour Party… que representa uma volta ao passado… e por aí vai. Os “amadores” (no bom sentido da palavra), este seu fiel correspondente incluído, tão com o Jez e não abrem.

– viu o show que weller + wyatt farão para ele?

Oh yeah, quando passar por aqui perto vou lá ver, mesmo se as atrações forem Adele, Robbie Williams e Rush. Afinal, sempre vai ter um balcão vendendo cerveja.  Os “profissionais” tentaram usar isso pra fazer vingar a idéia da volta ao passado, dizendo que é um exemplo de culto a uma personalidade. Um certo culto até que tem, mas por razões anti-culto, se é que você me entende. O Mujica é cultuado por aí? Pode ser, mas você vai concordar que não é a mesma coisa que o Kim Jong-un, não vai?

Abração,
Marcelo “Caipirinha”

rio2016 from leeds…

ronca.desenho2

fico curioso em saber como está sendo vista / entendida a rio2016 foreta de nossas fronteiras. ontem, perguntei ao monumental marcelo “caipirinha”, residente em leeds (U.K), se alguém por lá sabe da olimpíada greco-carioca e…

Salve Simpatia!

Tom (o filhote) na Romênia com os primos fazem quase duas semanas, a gente vai pra lá amanhã e fica até o fim do mês pra aproveitar sol, calor, piscina, montanha e etc, que aqui nas terras da rainha o verão não apareceu.

A cobertura das olimpíadas aqui é nonstop, my dear. Um detalhe curioso (mas nem tanto) é que os apresentadores parecem muito surpresos de ver que no Rio também acontece de chover e o tempo ficar ruim. Fora das páginas esportivas, ou até nelas, tem também uns comentários/notícias sobre os problemas com a política/economia/sociedade daí, ou sobra problemas com a organização. (Alguém já deu uma explicação descente sobre a água verde na piscina do mergulho? Não aquela da “alcalinidade reduzida”, que vai competir com o canguru pros australianos pro prêmio Batatada de Ouro.)

Mas tem comentários positivos também, por exemplo sobre a participação de quem vai lá ver. Eu nunca tinha reparado nisso, mas parece que o normal em olimpíadas é o aplauso respeitoso a todos os competidores, enquanto que aí o pessoal vaia, torce pelos mais fracos, contra russos e argentinos… dizem aqui que só em Atenas houve coisa parecida, assim que estamos em boa companhia (e, nesse sentido, bem vistos).

Tem também tocado mais música brasileira no rádio do que de costume. Essa semana ouvi Mutantes duas vezes, Caetano, Gil, Elza Soares, Banda Black Rio… e também coisas mais novas: Lucas Santanna, Bixiga 70, Rodrigo Amarante, e até… Dom La Nena, de quem eu nunca tinha ouvido falar. Você conhece? (aproveitando a dúvida do caipirex, dom la nena já esteve no roNca aqui, aqui e aqui) Ela tocou no Womad deste ano.

E por aí? Você foi/vai lá conferir a esgrima, a marcha, o remo, ou o ping-pong?

Abração,

Marcelo///

diz pra gente “caipirinha”…

flag

como temos, diariamente, zilhões de novos passageiros a bordo, é bom informar que marcelo “caipirinha” tem mais hora de roNca que urubu de voo… idesde os primórdios na flu fm. ao longo desse tempo, se transformou em queridíssimo amigo e responsável pelo envio de alguns dos discos mais inoxidáveis do programa. há anos é residente em leeds e membro da universidade onde o the who gravou o célebre artefato sônico.

recentemente, solicitei ao moNumeNto algumas letrinhas sobre a situation no UK e…

“Salve Simpatia!

Desculpe aí a demora em responder. Quando você me mandou o email, a situação ainda tava muito confusa, e eu preferi esperar a coisa clarear um pouco.

O que eu achei na hora em que ouvi a notícia, e que ainda acho, é que o assassinato dessa parlamentar não foi diretamente ligado a um “facismo em marcha”, mas foi um ato isolado de um sujeito com uma mente, digamos, pouco clara. Claro, sempre aparecem oportunistas de um lado e do outro pra dizerem que “isso revela o que eu sempre disse, e que por isso tal e tal coisa devem acontecer”, mas a interpretação é uma coisa, e a outra coisa é outra coisa.

E sobre o resultado do referendo, acho que o comentário é mais ou menos o mesmo. Teve e vai ter oportunistas de um lado dizendo que a indicação é que a ilha tem que fechar as fronteiras, expulsar estrangeiros, etc, assim com teve e vai ter oportunista do outro lado dizendo que o mais importante de tudo agora é combater os oportunistas do primeiro tipo.

Tem muita gente por aí escrevendo sobre o racismo e a xenofobia aqui nas terras da rainha, que os dois cresceram, que o resultado do referendo é prova disso, e que o racismo e a xenofobia estão tomando conta da ilha. Daqui do meu lado eu não vejo isso. É óbvio que existem xenófobos e racistas por aqui, como existem em qualquer outro lugar. Mas não acho que sejam mais numerosos aqui do que em países onde a popularidade da União Européia é bem maior, acho até o contrário. E também não acho que racismo ou xenofobia foram as razões principais do resultado ter sido a favor do fim da união.

O que eu acho é o seguinte. Tem uma parte considerável da população que tá sendo deixada pra trás, ou até marginalizada. Gente com pouca educação, em áreas que contribuem menos pra economia e que nunca se recuperaram do declínio social/cultural/econômico. Esses “improdutivos” têm sido muito estigmatizados e pressionados. Se eu fosse um deles, acho que eu teria votada em qualquer coisa pra “bagunçar o coreto.” Se você olha os mapas e gráficos da votação no referendo, a indicação é forte. Nas cidades grandes (Londres, Leeds, Manchester, Liverpool, Bristol, etc) o “fica” ganhou, nas cidades pequenas e nas partes “decadentes” foi o “sai”. Fora pouquíssimas exceções (Birmingham, Escócia), o contraste é muito grande. E as exceções se explicam facilmente. Na Escócia, por exemplo, as estruturas de suporte a comunidades e pessoas não vem sendo desmanteladas como aqui na Inglaterra ou em Gales, onde o que reina não é a Elizabeth, mas sim a “produtividade”, a “competitividade”, e coisas do gênero.

Ontem eu tava lendo no jornal um artigo sobre Ebbw Vale, uma cidade pequena em Gales onde (diz o artigo) a população de imigrantes é desprezível e os poucos que estão lá não encontram problemas diferentes do resto da população. Essa cidade, que não cresceu com uma produção de aço que não existe mais, é um dos lugares que mais recebeu investimento da UE nos últimos anos. Resultado do referendo? Uns 62% pelo “sai”. Minha opinião: a população de lugares como esse quer respeito, quer sentir orgulho de quem são e do que fazem, mas o que recebem é “investimento” cercado de recriminação e condições: precisam fazer isso, se tornar aquilo, esquecer quem são, abraçar uma outra vida. Você querer fazer isso é uma coisa, mas é muito diferente você ter outras pessoas e até instituições, todos distantes, dizendo que isso é o que você *tem* que fazer.

E voltando aos oportunistas… esses são os que aparecem também de longe pra dizer “olha aqui em quem você pode jogar a culpa desse mal-estar”, ou pra dizer “eles estão reclamando porque são vítimas dessa coisa que eu acho que deve acabar”. O “culpado” da hora é a União Européia, mas daqui a uns anos vai ser outra coisa. Dependendo do trabalho dos oportunistas, pode ser o liberalismo econômico, o “excesso de socialismo”, ou outra coisa.

Email compridão, hein?

Um abração,”

Marcelo “Caipirinha”

University of Leeds

shilpinha na radio6, JAH…

Assunto: shilpa na radio6!
“Rapaz, estava eu aqui tranquilo, ouvindo o #141, quando fui desestabilizado pelo comentário do Shogun dizendo que “nem a BBC Radio 6 toca Shilpa Ray tanto quanto o roNca”. My dear, pelo que eu sei a radio 6 nunca tocou neris de pitibiriba dessa moca, e olha que eu escuto radio 6 continuamente e praticamento todo dia. Ouvindo o comentario do Shogun me perguntei como e’ que pode ser. Resolvi dar uma de Morrissey (ou de Caipirinha nos tempos de radio Flu) e comecar a escrever pra la’. Parei de escutar o ronca e vou mandar agora mesmo um email pro dejota no ar agora. Mas o melhor pra isso e’ o Mark Riley, que faz o horario de 7-9 da noite de segunda a quinta. Quer dizer, ele so’ volta ao ar na segunda, mas a campanha ta’ lancada – SHILPA RAY NA BBC RADIO6!”
Marcelo “Caipirinha” (Leeds – UK)
shilpa

vai preparando o K7 pro #133…

jumbo

pacote encapetado que chegou, sexta feira, com algumas pepitaças do record store day 2015… captain beefheart, gravado ao vivo 1972 + compacto bert jansch com 5 músicas retiradas de seus dois primeiros Lps, de 1965 + reedição do primeiro Lp de martin carthy, de 1965 + sly & the family stone, ao vivo, em 1968 + reedição do primeiro compacto do family, de 1967… tá bão, o K7?

nossos agradecimentos aos monumentais hunter & marcelo “caipirinha” por terem colocado em prática, mais uma vez, uma logística cabriocárica de tráfico internacional… e assim, os discos chegaram em excelente forma física ao patropi.

cheers!

hunter

a brazucada, marcelo “caipirinha” & eduardo motta (em leeds)…

“Salve Simpatia!

Infelizmente, a passagem do Ed por Leeds não deixou boas lembranças, acho que em particular pra ele e pra banda. Houve um desencontro muito grande entre os músicos (e a música) e a platéia.

Apesar de uma certa presença de regulares do Wardrobe e alguns interessados em música (o Hunter, por exemplo, tava lá), quem tomou conta da noite foram os brazucas, mas aqueles do tipo “sambista de Maceió”, “forrozeiro de Criciúma”, “funkeiro de Ipanema”, tá sabendo? Essa turma chegou, tomou conta do lugar, passou o tempo todo de papo, rindo e contando estórias, sem nenhum interesse pelo show. Se fosse o Elomar, Metá Metá, Hermeto Pascoal ou Egberto Gismonti, a turma também estaria lá no mesmo número e com a mesma falta de interesse, falando e esperando os DJs (brazucas também) finalmente “tocando música boa” – aquilo que você imagina.

Depois de duas ou três musicas o Ed e a banda começaram a pedir silêncio, respeito e etc, mas os pedidos foram totalmente ignorados. Pra quem tava do meio pra trás do show, o volume da conversa era mais alto que o da banda. E a banda, evidentemente, p da vida, ainda no palco só por profissionalismo.

Além disso, acho que houve outra coisa que desagradou até os regulares do Wardrobe (um lugar de jazz/folk/world, foi lá por exemplo que entrevistei o Berth Jansch pro tico-tico em 1900 e muito tempo atrás): o Ed cantando em inglês. Três dos interessados em música que estavam tendo ali seu primeiro contato com o Ed, entre eles o Hunter, me perguntaram a mesma coisa: “no Brasil ele também canta em inglês? Por que ele tá cantando em inglês aqui?”. A combinação do material promocional proclamando “Ed Motta the Brazilian MPB legend”com o Ed cantando em inglês foi péssima. Pode ser que isso cole em outros cantos do planeta, mas por aqui é difícil.

Terminado o show, Ed & banda tiraram o time de campo rapidinho, não teve papo com ninguém depois do show. Normal, não tinha clima pra isso.

Tão ruim como a atmosfera foram as fotos que tirei – te mando aí em anexo a melhorzinha de uma série lastimável, e também o flyer do show.

Abração,”

Marcelo///

caipirinha no #54…

a leNda marcelo “caipirinha” voando, loucamente no jumboteKo #54!

que momeNto!

com ele a bordo, iniciamos o aNo2, na oi fm web, galgando parâmetros com a sacolinha lotada de pepitas especiais.

muitas delas podem ser ouvidas… agora!!!

segura, “janeliNha & bula”…

josephine foster – “blue roses”

bill callahan – “the sing”

marcelo jeneci – “de graça”

congo naty – “rebel”

dexy’s midnight runners – “dance stance”

dexy’s midnight runners – “geno” (peel session)

the four tops – “i can’t help myself”

unknown mortal orquestra – “secret xtians”

unknown mortal orquestra – “from the sun”

bobby womack – “and i love her”

elomar – “parcelada, violeiro” (ao vivo)

staff benda bilili – “polio”

bill laswell – “dejala en la puntica”

kurt vile – “KV crimes”

iggy pp & the stooges – “penetration”

the vaselines – “dying for it”

nick cave & the bad seeds – “the mercy seat” (ao vivo)

nina becker, marcelo callado & cora – “nuvem” (ao vivo no roNca em 29janeiro2013)

nick cave & the bad seeds – “higgs boson blues” (ao vivo / parte)

van morrison – “brand new day” (alt.version)

noriel vilela – “só o ome” (7″)

van morrison – “into the mystic” (parte)

 

Peel forévis (2), from leeds!

prestenção na mensagem que chegou de marcelo “caipirinha” (o grávido):

“Salve Simpatia!

Hoje tava na cozinha, tomando meu café da manhã, com a radio 6 ao fundo…
…quando apareceu o som do John Peel…
…e eu quase caí da cadeira.
Falei para molécula:
…olha só…
…a radio 6 tá repetindo um programa do Peel…
…deve ser parte da programação de fim de ano…

E depois de escutar…
…e me tocar que o que eles tavam fazendo…
…era tocar trechos de programas com três músicas…
…pensei…
…mais tarde vou comentar com o Mauval.

Mas daí saímos pra comprar coisas de bebê…
…paramos pra almoçar…
…encontramos com uns amigos…
…e chegamos em casa há pouco.

Pensei…
…vou comentar a estória do Peel no rádio hoje com o Mauval…
…mas antes vou dar uma olhada no tico-tico.

E, claro, a estória já tava lá.

Sguindo o fio da meada…

E as 250 velinhas amanhã?

Se no Brasil tivesse BBC…
…em 2050 o povo que gosta de rádio, de idéias, de música teria a chance…
…de ouvir o ronca ronca de 2010
(assim como eu hoje ouvi vários trechos do Peel nos anos 70).

Mas como não tem…
…vou me ligar no ronca amanhã mesmo.

Programa histórico, hein?

A torcida em Leeds manda os parabéns!”

Marcelo (& Molécula) (& Nina ou Tom, who knows)

brasa!

 

túlio brasil é uma lenda do roNca… com cadeira cativa no jumboteKo!

aí, muita gente vai perguntar a razão de toda essa “consideração”… né mesmo?

tudo começou no exato dia do lançamento do livro dos paralamas com minhas fotos, em junho de 2007.

não é preciso entrar em muitos detalhes aqui… já que usualmente me recordo deles “publicamente”.

anyway, túlio – a bordo de seus 17 anos – segue firme no leme do jumboteKo… sim, a nave é guiada por leme.

para atravessar maremotos & furacães, ela deve estar em boas mãos… deve estar sintonizada com ouvidos fresquinhos, sem cicatrizes, aptos a receber toda e qualquer informação e frenéticos na caça de novidades… como os do túlio & seus bluecpas.

esta é a minha alegria (e certeza) – poder colocar o jumboteKo nas garras de quem conhece a rota! manja?

pois bem, o “motora” esteve sexta passada na festa e mandou o seguinte pensamento:

Subject: Teórico

“Oi Maurício,

Que festa boa heim. Eu fico impressionado com sua facilidade de mesclar pares tão diversos da música num mesmo set. Essa sua visão que vai além do óbvio e conecta tudo. Em lugar nenhum eu vou numa festa que toque Rubinho Jacobina, Fela Kuti, Franz, bandas de Forró, punk rock, Jimi Hendrix e tantos outros nomes. Não estou no meu melhor momento para desenvolver o que é essa ponte cujo caminho foi descoberto por ti, mas é incrível a forma como isso acontece. 
.
Tua forma de expor a música faz com que eu fique aberto a todas as direções que a arte oferece. A proporção que isso toma é tamanha que depois de uma aula dessas eu fico com receio de dizer que não gostei de algum pontapé. Fora que eu não gosto de ver você rindo daquela forma ‘puta que o pariu’ hahahaha, nem sei se é bem assim. De certeza eu não tenho nada, mas porra, muito obrigado pelas oportunidades que você dá pra gente. Não vejo ninguém para fazer o que você faz hoje.
.
Tamo junto. Menos no futebol 😀
Abraços,”
Túlio
( :
como são muitos lemes a guiar o jumboteko (daí a desorientação absoluta), aproveito para mostrar uma carta recebida há 22 anos…
captou, pelo estilo, o autor da missiva?
ha ha ha…
trata-se de marcelo “caipirinha” ainda em solo pátrio… e desorientadaço com o pouso da nave.
tempos do roNca tripa na rádio panorama, em nilópolis!!!
muuuuuuuuuuuita pressão no turbo!
H, sabe de quê… né?
culpa da tossida!!!
( :
olha o adesivo desejado pelo marcelo…

EXTRAEXTRAEXTRAEXTRAEXTRAEXTRAEXTRAEXTRAEXTRAEXTRA…

o bagulho esteve pra lá de norótico em leeds.

olha o relato (+ fotos) enviado por “caipirex” travestido de roNca roNca…

“Salve Juventude!

No Jumbo Records o dia começou cedo, a la INPS: a loja abria às 9, mas a distribuição de senhas foi às 8 da manhã. O ronca ronca chegou lá meio atrasado, por  volta das 9 e meia (culpa de sexta-feira regada a Guiness). As senhas já tinham acabado, mas a fila continuava grande  – só com gente que não tinha senha, porque quem tinha senha ia ser chamado por ordem de chegada, já com a sacolinha (especialmente feita pra celebrar a ocasião) cheia de discos, e de quebra uma canequinha da loja. Clima comportadinho, todo mundo com medo de não conseguir as bolachas que queria, mas contente com o sucesso do programa. Gente de todo tipo e idade, mas todo mundo cheio de apetite musical. Felizmente pro ronca ronca, a procura era tanta que a turma da Jumbo resolveu racionar as pepitas. Que era pra todo mundo ter acesso à sua alegria. Cada um que pegava sua sacolinha saía mais sorridente que o outro, pegando logo no celular pra ligar pra alguém e dizer: “Consegui o Serious Sam Barrett!  Crystal Castles e Steve Mason tão na mão!! Black Keys e Wooden Shjips também!!!!”

O ronca ronca conseguiu chegar ao balcão pra fazer seus pedidos ali pelas 11 e meia, quando as coisas já estavam sendo ajeitadas pro segundo show do dia (Wilful Missing). Incrivelmente, o ronca conseguiu tudo o que queria, incluindo Blur e Gorillaz (só foram impressas 1000 cópias de cada, pra serem distribuídas por todas as lojas). No que o ronca ronca mandou aquele cumprimento pra Jumbo, eles abriram o maior sorriso – aquele que vem com a satisfação de um trabalho bem feito e o reconhecimento estampado no rosto dos frequentadores – e mandaram: “A confusão tá grande mas tá boa. Mas vai ser melhor ainda ano que vem, quando a Jumbo vai soprar 40 velinhas…”

OH YEAH. Vida longa às lojas que estão por aí e às que virão!”

e atenção pra saideira…

que momento, hein?

já acabei com a caixinha de kleenex… é blublu pra todos os lados.

muita emoção!!!

( :