milton nascimento

mark, fotografia, bituca & o mixto…

Assunto: Milton “Bituca” Nascimento

“Fala MauVal!

Estou passando aqui pra te contar um dos maiores momentos da minha vida.

Meu nome é Mark Greathouse (apesar desse nome americano, sou brasileiro de BH). Sou um membro da tripa já há alguns anos, após ser apresentado ao Ronca pelo meu amigo Thiago Mamede.

MauVal, desde moleque, sou um grande fã do Milton “Bituca” Nascimento. Minha mãe já me mostrava LPs dele quando eu era pequeno, e até hoje afirmo enfaticamente que ele é a voz mais bonita que o Brasil já produziu, e sem dúvida nenhuma uma das mais bonitas da história da humanidade. Tanto acredito nisso, que quando me casei no ano passado, fiz questão de que a versão da música “Travessia” que ele gravou com o gaitista belga Toots Thielemans fosse o fundo musical dos meus votos na hora do casório. (inclusive, se me permite um pedido, seria de ouvir essa versão aí no Ronquinha).

Aí, imagine minha surpresa quando em janeiro desse ano, recebi um convite inesperado: sou fotógrafo há cerca de dez anos anos, e ensino fotografia na minha escola aqui em BH (chamada Ansel). Tive a honra de ser professor do João Couto, que através de muito talento, hoje é o fotógrafo “oficial” das turnês do Bituca. Em janeiro desse ano, ele me ligou porque o Bituca pediu que ele o fotografasse em estúdio para que eles tivessem alguns retratos que pudessem ser utilizados como material de marketing para a nova turnê do Bituca, homenageando o Clube da Esquina. Como o João não tinha muita experiência com fotografia de estúdio, me ligou e me pediu para estar com ele lá para ajudá-lo nessa sessão.

MauVal… eis que eu saio de BH para a casa do Bituca em Juíz de Fora. Chego e sou logo apresentado a ele. Timidamente, comento com ele que que sua voz tinha sido a trilha sonora do meu casamento. Ele, mais timidamente ainda, me responde que apesar de saber dessa gravação, não se lembrava de muitos detalhes de como foi ter gravado com o Toots. Seu filho Augusto propõe que a gente asse uma carne e compre uma cervejinha, já que o estúdio fotográfico estava reservado para o dia seguinte. Papo vai e papo vem, me convidam para dormir ali mesmo. NA. CASA. DO. BITUCA.

Após ouvirmos vários LPs na sala, o Bituca timidamente se retira para dormir, e o resto da turma (Augusto, João e dois produtores) decidem fazer uma sauna. Eu, que estava atoladissimo de trabalho, aproveito o momento livre para abrir meu laptop e responder alguns emails de clientes, na sala da casa.

Estava ali sentado sozinho quando, algumas horas depois, o Bituca ressurge de seu quarto. Todo o resto da turma ainda estava na piscina ou na sauna. Percebendo que o Bituca estava procurando por alguém, pergunto pra ele se ele estava precisando de alguma coisa. Ele me responde que estava com um pouco de fome. Eu, mais timidamente ainda, pergunto se ele quer que eu arrume algo para ele comer. Ele me pede gentilmente para ver se tinha algum pão na cozinha. Peço sua permissão para abrir a geladeira, e após seu consentimento, vejo que na geladeira tinha, além do pão, um pouco de queijo mussarela e presunto… naturalmente, pergunto: “Bituca… você quer que eu faça um mixto pra você?” Ele responde, sempre timidamente: “Um mixto ia bem… mas usa aquela manteiga ali que é lá de Três Pontas”.

MauVal!!! EU FIZ UM MIXTO PRO MILTON BITUCA NASCIMENTO!!!

Praticamente não dormi depois disso. Acordamos cedo para ir para o estúdio e deixar tudo pronto para as fotos. O João Couto, como sempre, mandou muito bem. Mas em alguns poucos momentos onde faltou a ele a inspiração, tive a honra absoluta de fazer alguns retratos do Milton, que te envio em anexo. Sem dúvida nenhuma foi um dos maiores momentos da minha vida e da minha humilde carreira como fotógrafo.

Enfim… desculpe o texto longo do email, mas logo que tive permissão deles para divulgar as imagens, pensei em compartilhar isso com vocês do Ronquinha e com o resto da Tripa.

Espero que gostem.

Um abraço-”

Mark

a esquina do clube (ou clube da esquina forévis)…

esquina

Assunto: tributo a milton nascimento
“Fala Mauval!Antes de mais nada, caramba MUITO bom o programa passado, #132. É um probelma pra mim ouvir o Ronca no trabalho, pq fico pesquisando as bandas que não conheço enquanto ouço  o programa, e uma coisa leva a outra.. acabo descobrindo sempre muitos discos pra ouvir!
Mas só queria te mostrar esse projeto, mais um com “bandas novas” homenageando algum artista brazuca, dessa vez o Milton. Algumas releituras são bem interessantes:

https://soundcloud.com/coletaneamiltom

http://screamyell.com.br/site/2015/06/10/download-tributo-a-milton-nascimento/

Abraços!”

gabi
+
Assunto: Mar Azul | Clube da Esquina
“Salve MauVal,

Acabo de lançar um tributo à turma do Clube da Esquina, chamado “Mar Azul – Sons de Minas Gerais Vol. 1”. É uma série de 11 vídeos, lançados direto no Youtube, como se formassem um disco. Tem SILVA, César Lacerda, Moska, Pedro Luís, Maíra Freitas e outros revisitando coisas dos dois discos do Clube e ainda outras como “Pedras Rolando”, do Beto, “Travessia” etc.
Tá tudo aqui: tocavideos.com.br/marazul

O álbum está disponível em plataformas como Spotify, Deezer e iTunes, entre outros.
Cartaz em anexo.
Obrigado, abç.’

Fernando Neumayer
mar

MILtons…

que espetáculo a gente encontrar nas bancas de jornal a fina flor do cancioneiro brazuka… a bons preços e edições caprichadas!

as discografias de gil e milton estão fazendo a felicidade de muitos fissurados em sons… especiais!

cacilds, “expresso 2222”, “milagre dos peixes”, “clube da esquina”… e tantos outros monumentos!!!

semana passada, o carpinteiro veio aqui na maloca dar um jeito na mesa.

ela estava rachada ao meio desde aquele gol perdido por diego souza contra o curintcha, lembra?

não vou entrar em detalhes do “acidente”, tá?

enfim, jakinho (o carpenter… é os cornos de michael) ficou um tempão na função…

enquanto rolava no “3 em 1″…

que havia chegado, no dia, à banca da esquina… por 18 merréis!

tenho uma relação carnal com “minas” e com “geraes”… só eles, os discos, sabem o tamanho da encrenca!

o som comia solto e… jakinho martelava.

no segundo de tranquilidade, o cidadão perguntou:

– “maurição, isso é música clássica?”

na hora, eu estava prestes a engolir um tasco de pão…

e o ato foi interrompido por uma força interior que fez o objeto (o pão) voar longe! sério!

refeito do fenômeno, respondi:

– “para os padrões atuais, é quase música clássica, hahaha… mas, na época, 1975, era música popular, dessas de tocar no rádio AM”

pronto, a mesa está prontinha… aguardando um novo descarrego!

( :