sly and the family stone

muito prazer (ou it’s a family affair)…

(lucy & luca, rio, 1993)

psicólogos, entendidos, palpiteiros, sociólogos, jornaleiros, jornalistas, antropólogos, djs, modelos, manequins & manicures estão com um prataço diante de suas respectivas antenas: “que mundo é esse que estamos vivendo?”

pensa a seguinte situation aqui no nosso cantinho: mãe, pai (ambos trabalham fora), um filho de 18 anos, uma de 15, outra de 6 e outro de 3… há muitas famílias no planetinha com essa configuração, procede?

quantas vezes você acha que essa tchurma se encontra all together por ano?

posso chutar? nenhuma… nem no natal. nem no niver da mãe.

pois bem, nesse exato instante, estão todos amontoados… em mood almôndega total… se conhecendo, falando coisas jamais faladas, sabendo de detalhes amoitados, se beijando todos ao mesmo tempo, sendo apresentados uns aos outros. “mamãe, não sabia que eu tenho um irmãozinho. qual o nome dele?”… hahahaha!

ah, e com um detalhe: as duas avós que moram sozinhas, travadonas, se acomodaram na casa dos filhotes… JISUS!

ok, podemos matutar, simplesmente, um casal já separado / sem nenhum tipo de connection mas que habita a mesma maloca e que está coladinho right now. até quem sabe “matando a sodade” pra engrenar de novo… pensou?

delirante? provavelmente sim mas você pode imaginar trocentas outras situações familiares inéditas que estão acontecendo no planeta nesses dias de março2020.

tomara que existam documentaristas captando em imagens essas realidades cascudas… os teóricos, certamente, encherão páginas e páginas analisando essas e muitas outras preciosidades dos humanos.