soma

macao (2)…

ontem, por volta das 19h, ouvi o berro:

– “e aí, maurição… tô com uma parada boa pra você”!

cacilds, movimento frenético na main road, gente pra meirelles… e uma comunicação dessas! maior sujeira!

enfim, no que percebi a crionça a tragedia ficou ainda pior… putz, era o traficante!

tentei dar uma disfarçada… mas o caboclo se aproximou gritando ainda mais alto:

– “vascão, finalmente, consegui a paradinha que você procurava há um tempão”

– “êita… já sei que você vai me meter a faca”

– “pô, mas é de primeira qualidade”

– “anda desembucha”

– “o compacto do macalé, de 1970, quatro músicas, acompanhado pelo soma, zé rodrix, naná vascãocelos, alirio lima… em ótimo estado”

– “caraca, trafica… você conseguiu essa pepita?”

– “hahaha… não disse que você ia curtir?”

– “ok… e a negociação?”

– “ih, maurição… esse Ep deu trabalho viu…”

– “ihhhhhhhhhhhhhh… anda”

– “então, tá. vou quebrar essa pra você. me arruma o DVD da decisão da mercosul de 2000 que a parada é sua”

PQParille… em dez minutos o trafica estava com a virada que demos em cima do palmeiras!

e eu…

certamente, este compacto é uma das maiores raridades que (não) existem por aí!

bem melhor que ser raro ou não… é ele espelhar um dos momentos mais “cabeleira alta” da MPB.

afinal, estas quatro gravações juntam macalé ao SOMA… uma LENDA do rock brazuka…

que nesta formação, contava com alirio lima… que, anos depois, fez parte do weather report (sim, com jaco+wayne&cia!!!)

e mais: é o primeiro registro fonográfico do macao!!!

prestenção do texto do site senhorf.com.br…

Soma, mistério e raros registros na história do rock brasileiro
O grupo Soma é um dos maiores mistérios da história do rock brasileiro. Além da lenda, pouco se conhece da banda que teve o cantor Ritchie entre seus integrantes. Em disco, até pouco tempo, a única música conhecida era ‘P. F.’, do disco coletivo ‘O Banquete dos Mendigos’, gravado ao vivo, em 1974.A história da banda, na verdade, começa na Espanha, mais exatamente em Madri, no Clube Miramar, por volta de 1963/64. Ali, na onda dos Beatles, tocava um grupo chamado Los Finks, que tinha no baixo o americano Bruce Henry. Na época, Bruce era amigo de Fernando Arbex, que começou tocando rock instrumental com Los Pekenikes e depois formou o famoso Los Brincos, o melhor grupo espanhol dos anos sessenta.Dois anos depois, Bruce estava no Rio de Janeiro, estudando no Colégio Americano. Na escola, conheceu Rick Strickland Jr, outro americano, com quem formou o grupo The Out Casts. Junto com Bruce (baixo e voz) e Rick (guitarra e voz), estavam Chico Azevedo (bateria) e Gee Bee – assim está creditado no disco – (também guitarra).Com idades em torno de 16 anos e visual psicodélico, que incluia roupas coloridas, show de luzes e bateria fluorescente, The Out Casts fez um certo sucesso na cena carioca de garagem. O grupo apresentava-se em clubes como Boliche 300 e Paissandu e também na televisão. Em 1967, abriram show para Roberto Carlos, no pavilhão do São Cristóvão, no Rio de Janeiro.Totalmente obscuro, o grupo gravou um álbum chamado ‘My Generation’, em 1967. No repertório, composições originais e covers para clássicos dos The Who, The Rolling Stones e Bob Dylan, entre outros. O disco foi lançado pelo desconhecido selo ELPA, que vinha a ser uma espécie de tentativa do Elenco – de Aloysio de Oliveira, especializado em bossa nova – de criar um braço pop. Além do álbum, ainda foi lançado um compacto com ‘My Generation’ (The Who), que abre o LP.

O grupo acabou em 1968, deixando um segundo disco gravado, mas que nunca foi editado, devido a falência do selo. Um ano após, Bruce Henry já havia formado o grupo Soma, enquanto Chico Azevedo passou a tocar com Gilberto Gil e outros músicos e Rick Strickland Jr. abandonou a música.

Soma, estréia em 1969

Ao contrário do que muita gente pensa, o Soma, portanto, não começou em meados dos anos setenta. O grupo nasceu em 1969, formado por Bruce Henry (baixo e voz), mais Jaime Shields (guitarra e voz), Alírio Lima (bateria) e, ainda, Ricardo Peixoto (guitarra), que depois tocou com Flora Purim e Airton Moreira.

Como trio, o grupo gravou quatro músicas para a coletânea ‘Barbarella’ (nada a ver com o filme), lançada pelo selo (nacional) Red Bird Records, em 1971. Sem sucesso, e com o clima ditatorial adverso, o grupo deu um tempo, com seus integrantes dispersando-se pelo mundo.

Em 1974, o grupo reorganizou-se, já com a presença do vocalista e flautista Richard Court (Ritchie), recém chegado da Inglaterra, de onde veio à convite de Rita Lee. Com Bruce, Shields, Alírio e Ritchie participa de espetáculos no Rio de Janeiro, especialmente do show/disco coletivo ‘Banquete dos Mendigos’, produzido por Jards Macalé, em comemoração aos 25 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Na mesma época, Bruce, Jaime e Alírio, gravaram uma das maiores raridades da discografia nacional, a trilha sonora de ‘Mailbag Blues’, um filme sobre Ronald Biggs, então vivendo no Rio de Janeiro, que acabou não rolando – mas terminou reeditado recentemente, por um selo inglês.

Segundo o próprio Bruce, o nome ‘Mailbag Blues’ referia-se as cantorias dos presos de “Sua Majestade” enquanto costuravam sacos de correio, nas cadeias da Inglaterra. Além dos três músicos do Soma, participaram do projeto o saxofonista Nivaldo Ornellas e o tecladista Guilherme Vaz, que depois escreveu a premiada trilha sonora do filme ‘Rainha Diaba’.

A fita, inicialmente bancada pelo próprio Ronald Biggs, depois de várias tentativas de edição, tanto na Inglaterra quanto nos Estados Unidos, se perdeu nos escaninhos do tempo. Segundo Bruce, a negativa vinha sempre acompanhada da justificativa de que não seria “ético” lançar um material envolvendo a controvertida figura de Biggs.

Argumento hipócrita, derrubado logo após pelos conterrâneos Sex Pistols, que gravaram, posaram para fotos e elegeram um de seus ídolos o assaltante do trem pagador. Anos mais tarde, Bruce Henry ganhou de presente, do proprietário do estúdio, o master original das gravações.

Em meados dos anos setenta, com participação do pianista Tomas Improta, a banda passou a realizar shows com influência mais jazística, até terminar já quase no final da década. Bruce Henry foi o único do grupo a se manter ativo no meio musical, com participação em gravações dos principais músicos brasileiros e vários álbuns solos editados. (Fernando Rosa)

Discografia

The Out Casts – My Generation (LP, 1967)
The Out Casts – My Generation (CPT, 1967)
Soma – Barbarella (LP, 1971, participação com as músicas ‘Potato Fields’, ‘Fragments’, ‘Treasures’, ‘Where’)
Soma – O Banquete dos Mendigos (LP, 1974, participação com a música: P.F.)