Arquivo da categoria: brasil

tarcisão & são jujuba…

D+

Câmara dos Vereadores torna São Januário patrimônio de interesse histórico, cultural, desportivo e social
Quinta-feira, 11/03/2021 – 14:24
Tarcísio Motta @MottaTarcisio
Erguido em 1927 a partir de uma histórica campanha de arrecadação, o estádio de São Januário é símbolo de luta contra o racismo e de equipamento de lazer no subúrbio carioca.

E agora, com aprovação do Projeto de Lei proposto pelo nosso mandato junto com o do ex-vereador @renatocincorj, é também patrimônio de interesse histórico, cultural, desportivo e social para o município.

Sua construção foi uma resposta a exigências de dirigentes da época que, para mascarar motivações elitistas e racistas, alegaram a falta de estádio do clube como forma de pleitear sua exclusão do campeonato carioca.

Isso porque o Vasco tinha sido campeão de 1923 com uma equipe formada por atletas negros e humildes que derrotara grandes times formados por jovens de famílias ricas da cidade.

Muito orgulhoso desse projeto, não só como vascaíno que sou, mas como historiador e cidadão. A memória da cidade está em disputa e é preciso demarcá-las!

Fonte: Twitter do vereador Tarcísio Motta

o titanic (ou o insta do jornalista ledio carmona)…

A quantidade de festas clandestinas no carnaval só desmascarou de vez a sociedade brasileira. Egoísta, paneleira, prepotente e que tem repulsas às regras, ao outro e, principalmente, a quem pensa diferente. Conheço gente que tem “nojo” de A a Z. Só gosta da sua curriola, do seu nicho, da sua bolha. E assim age a maioria. Boa parte das amizades se esfacelaram na pandemia. Por causa do isolamento? Talvez. Mas, no meu modo de ver, porque a tragédia desnudou as pessoas. O Brasil é o Titanic afundando e todos os grupelhos se matando para pegar um bote de salva-vida na frente do outro. Dane-se você. Eu vou primeiro. Como diria um amigo querido, o Brasil deveria ser rebatizado. Ele sugere “Que se f…” Outro amigo recomendou “E dai?”. Eu sugiro o isolamento. Para sempre. Você não vai perder muita coisa.

DAQUI

tadinho Dele…

ser usado por essas amebas governamentais pra tirar onda de bonzinhos, cristãos, preocupados com a população… PQP!

levar duas idosas (uma retirada do asilo) pra vacinar aos pés do redentor… JISUS.

será que a escada rolante estava funcionando?

por que não fizeram esse lobby num hospital, o único espaço possível para tal estréia?

rixa política entre município e estado?

pode até ser que tenham pensado mas uma voz lá de dentro disse: não vem pra cá não. tá tudo caindo aos pedaços. filas enormes. lotação esgotada e centro incontrolável de propagação do covid!

aí, o gênio do marketing deu idéia de profanar o coitado de braços abertos.

) :

milton mandou pra gente (ou a abundância de “podcats”)…

Profecias

– Talvez logo haja mais influenciadores do que público a ser influenciado

“Comentando a proliferação de músicas na internet, meu amigo Dadi, lendário baixista dos Novos Baianos, previu que, pelas facilidades da produção digital, viveríamos um tempo em que teremos mais artistas do que público — e os artistas terão que pagar para serem vistos. É engraçado, mas estamos quase lá, como mostrou a quarentena, quando as limitações de contato físico e as facilidades tecnológicas geraram uma torrente de artistas e “artistas” nunca imaginada. Afinal, já existem máquinas de ritmo e programas digitais que fazem música sozinhos e até filtros que afinam a voz de qualquer desafinado, rompendo a última fronteira entre a arte e a fraude. Ou quem sabe criando uma nova forma de arte em que a tecnologia serve à criatividade sem limites. Ou atualizando o lema do Cinema Novo, “uma ideia na cabeça e uma câmera (de celular ) na mão”.

Como previu Tutty Vasques, no início da era das celebridades, o conceito de privacidade sofreria grandes transformações e viveríamos uma era não mais de invasão, mas de “evasão da privacidade”, em que profissionais e amadores exporiam suas intimidades para desconhecidos por livre vontade, em busca de aprovação, popularidade e dinheiro. As redes sociais confirmam a profecia.

É conhecida a profecia de Andy Warhol, em 1978, de que no futuro todo mundo seria famoso por 15 minutos. Mas foi ultrapassada, porque hoje cada um pode ter seu próprio canal de TV, sua rádio, seu jornal e sua revista digitais, para fazer o que quiser, se exibir dia e noite em busca de seguidores e patrocinadores. Os antigos formadores de opinião foram substituídos pelos influenciadores digitais, que não precisam de nenhuma formação especial nem de autorização de ninguém, e, democraticamente, qualquer um pode ser. Talvez logo haja mais influenciadores do que público a ser influenciado.

No início da pandemia, o ex-ministro Osmar Terra previu dois mil mortos, e o ministro da Saúde Mandetta profetizou 180 mil se não houvesse ação do governo, mas Bolsonaro o ignorou e o demitiu.”

Nelson Motta

DAQUI