fazendo arte

allan & o diário (ou o crowd-frango do sieber)…

Assunto: Meu Querido Diário

“Pessoal,

Minha nova empreitada é um diário online com 4 atualizações semanais, AQUI

Isso está no APOIA-SE, uma plataforma para pessoas como eu (que faliram um estudio de animação, fracassaram na social para manter o emprego de roteirista na TV , e, por fim, foram dispensadas da Folha – onde publicavam tiras diárias por anos – por motivos nebulosos) se sustentarem através de sua produção.

AQUI o link do APOIA-SE

Funciona assim:

Todo cidadão ou cidadão que se dispuser pagar a quantia de 10 reais mensais tem acesso a meu diário desenhado, com 4 atualizações por semana. Isso é publicado no BLOG onde só os assinantes terão a senha (estará liberado para não assinantes até 10 de março). Também haverá a cada mês sorteio de um desenho meu entre os assinantes. Quem pagar 100 reais, além de participar do sorteio, ao final de 12 meses receberá em casa uma tela minha (30 x 40cm, tinta acrilica).

Valeu.

Besos”

Allan

 

do iNgá…

Após sucesso de ‘Choque de cultura’, Caito Mainier estará em três filmes em 2018
Humorista também quer rodar longa do ‘Falha de cobertura’

RIO — Até 2016, Caito Mainier acreditava que escrever e atuar eram atividades paralelas ao seu trabalho como educador. A repercussão de “Lady night” e de “Choque de cultura” transformou essa realidade. O roteirista de Niterói parou de dar aulas em cursos técnicos, mudou-se para São Paulo para ser um dos redatores-chefes do premiado programa de Tatá Werneck no Multishow e viu o motorista de van Rogerinho do Ingá, personagem que interpreta na atração no YouTube, transformar-se em uma sensação da internet. A ótima fase rendeu convites para participar de três filmes, todos com estreia marcada para 2018.

Mainier estará em cartaz com as comédias “Quase uma dupla”, “Chorar de rir” e “Os salafrários” nas quais dividirá a tela com Cauã Reymond, Leandro Hassum e Marcus Majella, respectivamente. Além disso, quer rodar em 2018 “Passaporte para a Ucrânia”, projeto que divide com Daniel Furlan e se baseia no programa de humor esportivo “Falha de cobertura”, sucesso no YouTube desde 2014.

Foi Furlan quem o convenceu a sair dos bastidores e ir para a frente da câmera. Até interpretar o Cerginho da Pereira Nunes, comentarista de alfabetização incompleta que se consagrou no “Falha”, Mainier era conhecido só como roteirista e montador.

— Em 2013, me botaram para apresentar o último ano do “Rockgol” na MTV e perguntaram se eu conhecia alguém pra comentar futebol de uma maneira engraçada. Disse que conhecia a única pessoa possível, mas que ia dar um certo trabalho para ela aceitar — lembra Furlan. — Ele acabou concordando, com a ressalva de que não fosse com o próprio nome.

Antes de Furlan, Terêncio Porto e Adriana Nolasco já haviam tentado. Eles queriam que Mainier fosse o apresentador de “Larica total”, mas ele não concordou de jeito algum. No fim, ficou responsável, junto com Leandro Ramos e Felipe Abrahão, por roteiro e direção da atração que oferecia receitas gastronômicas inusitadas.

— Pensei que eles estavam doidos — conta Mainier. — Tanto que logo fomos procurar atores. Ainda bem, porque achamos o Paulo Tiefenthaler, que deu vida ao “Larica”.

Tiefenthaler, por sua vez, avalia a contribuição de Mainier para o sucesso de “Larica”, cujos 74 episódios foram exibidos pelo Canal Brasil até 2012 (com direito a um prêmio APCA de melhor humorístico, em 2009):

— Além do texto, ele era a figura central na parte da direção. Ele é naturalmente engraçado e agora está se soltando.

Quando completou 40 anos, Mainier recebeu uma lisonjeira homenagem de Tatá Werneck no Instagram, que contou como o conheceu: “Hoje é aniversário do meu amigo que é gênio. Me apaixonei por ele por um áudio. Passei mal de rir”, escreveu ela.

Além dos convites para outros trabalhos, a transição para as telas trouxe outra mudança palpável para a carreira de Mainier. No início deste mês, encarou um auditório lotado na Comic Con Experience ao lado de Furlan, Ramos e Raul Chequer. Eles são companheiros na concepção de “Choque de cultura”, que vai ao ar toda quinta no YouTube. Os quatro vivem motoristas de transporte alternativo do Rio. Com a malandragem peculiar da categoria, são responsáveis por comentar novidades da cultura pop. “Animais Fantásticos e onde habitam” vira “Harry Potter sem Harry Potter” e “Stranger things” é “novela de criança”.

— Acho que os fãs se identificam com as máximas dos personagens. A repercussão tem um pouco a ver com a cultura do meme. Logo depois dos episódios, eles já pegam as frases para produzir montagens que viralizam tanto quanto o programa.

Só os dois episódios da segunda temporada da série foram assistidos por 420 mil pessoas. O grupo está envolvido em outros projetos elogiados pela crítica, como “Irmão do Jorel”, animação do Cartoon dirigida por Juliano Enrico, “Décimo andar”, do Canal Brasil, e o “Último programa do mundo”, que passou por MTV e FX e estreia na web em 10 de janeiro.

Mainier tem expertise em fazer os internautas rirem. Em uma época anterior às redes sociais, o “Baralhinho do momento”, jogo criado por ele, fez sucesso com cartas de indicações irreverentes (“Calma”, “Chora”, “Não mete essa”) para serem usadas em momentos-chave da vida real.

— O maior elogio que o “Choque” já recebeu foi o de um cara indignado que comentou “claramente são atores” no vídeo. Quer aplauso melhor?

rotas de fuga…

Assunto: Trilha sonora do fim dos tempos

“Salve Mauval, beleza pura?

Descendo ladeira 2017, meio exausto, sem vontade de olhar pra trás, só fazendo planos para o futuro. Aquela sensation juvenil de fazer alguma coisa nova, diferente, original, fugindo da mediocridade utilizando rotas de fuga da simplicidade e torcendo para que no meio do caminho encontre alguém legal. Como Phil Spector encontrando los Ramones.

Tenho o atrevimento de pedir pra tocar um Ramones do fim do século. Veja aí se tem a ver.

Gratidão pela companhia de mais um ano.
Abração,”
Rodrigo