fluminense fm

82.83.84.85 (2)…

anteontem, março1, marcou os 35 anos da fluminense FM… a maldita, a “perereca de niterói” (era assim chamada pelos poderosos concorrentes, no início de 82) que rugiu alto, fez escola, criou hordas e hordas de seguidores e deixou sodade.

em 2012, coloquei aqui no tico as lembranças abaixo e como esse assunto jamais perderá relevância (pelo contrário, a distância o deixará mais e mais atual)…

resolvi importar o assuNto:

tem noção do que representa esta pilha de “papel velho” aqui em cima?

não?

ok… é o “HD” de parte do material colocado no ar pela flu fm de 82 a 85.

todos os programas que liliane yusim e eu apresentamos – o rocka26 – às segundas e sextas, LIVE, quatro horas por semana!

+ especiais, programações, textos para vinhetas, loucurinhas & o diaboA4!

a promo com o adesivo comemorativo pelo terceiro niver da maldita entortou a coluna d’aTRIPA…

que pediu mais destas especiarias… sobretudo, porque 2012 marca os 30 anos da fluminense fm!

segura mais papelinhos:

você consegue imaginar o “estrago” desta rapeize nos ouvidinhos malditos?

imagina 1982, o rádio no brasa estava abarrotado por uma MPB repetitiva em 98% de suas ações…

e por uma inclemente repetição dos mesmos chavões internacionais… consegue?

pois é… aí, numa rádio em niterói com o som muito ruim, fruto “demente” (aleluia!!!) de luiz antonio mello e samuca wainer… entra no ar a novíssima (e desconhecida) safra cantando em português + o melhor da velharia brazuka + locução feminina + os clássicos + uma equipe fissurada em música + “cabeleira altíssima” + criatividade + um monte de chatice (sim, claro, a flu fm não era 100% coisa boa) + a tchurma ali de cima + bom humor … conclusão?

História… simples assim!

( :

aTRIPA em 1983 (ou “oh, suzaNa, querida”)…

durante a existência do rock alive (o avô do roNca roNca na flu fm, de 82 a 85), a participação da audiência era de fazer a terra estremecer. conseguimos lançar discos no brasa (jam-siouxsie-cure-style…), lotamos shows, abarrotamos festas… e, acima de tudo, tínhamos um corpo-a-corpo inoxidável com a rapaziada.

a zezé jones – que foi mostrada logo ali abaixo – era uma entre centenas de ouvintes que não desconectavam do programa… até porque ele ia ao ar toda segunda e sexta, daí o apelido rocka26.

uma das mais estrogonóficas & saudosas guerrilheiras do rocka26 foi a suzana… de juíz de fora, veja bem como a História dá voltas… HAHAHA!

a suzana participava freneticamente por cartas sempre muito bem escritas e com uma visão muito especial da música em seu sentido político-transformador.

semana passada, encontrei dezenas de maravilhas enviadas por ela. foi um MEGA prazer reler o coração, a alma, a “cabeleira altíssima” e a paixão da suzana. claro, a maioria das cartas é totalmente sintonizada ao espírito do programa, remando junto, reforçando idéias, curtindo muuuuuito, descobrindo bandas… mas esbarrei numa missiva, de dezembro1983, onde ela soltou marimbondo pelas ventas. bateu de frente comigo, atropelou o rocka26, fincou a bandeira da rebeldia, da inteligência e elevou ao máximo a chama do inconformismo.

tudo por conta de um programa onde foram tocados…

suzana3

captou? aqui em cima está a bula da discórdia… pois bem, segura o traNco:

suzana1suzana2

“vai gente, me chama o mauricio aí”… hahaha, que D+ esse jeitinho injuriado, querendo distância de mim como se a carta fosse aberta por someone else.

essas duas folhas serão emolduradas JAH!

suzana forévis!

a certidão de nascimento…

da legião e da plebe, no dia em que foram tocadas pela primeira vez no rádio, há exatos  32 aninhos… no rock alive, programa da fluminense fm, bisavô do roNca roNca… prestenção na lauda do jornal “o fluminense” que eu usava para rascunhar as atrações do programa (com liliane yusim na cabine) que também mostrou new order, david bowie, coquetel molotov e the clash…

flu.legiao1

negativos & positivos (195) [the who]…

lá pelos meados de 1984, a fluminense fm – com seleção de repertório de luiz antonio mello – lançou um Lp do the who composto por doze pepitas inoxidáveis … de “my wife (ao vivo)” a “run run run”… de “drowned” a “substitute”… para ilustrar a capa criada por ricardo leite…

who.capa

pete.tico

the who  /  wembley arena (londres)  /  março1981

The Who

Mon, 09 March 1981:

London, Wembley Arena

Setlist

negativos & positivos (13) [liliane yusim – fluminense fm]…

liliane yusim, locutora & operadora, em ação na fluminense fm… em maio de 1982!

não são muitos os registros da rádio com apenas dois meses de vida!

lili passou a fazer o rock alive (o avô do roNca) logo aos primeiros meses do programa…

que se manteve no ar em 82, 83, 84 e 85!

pode até ser que essa foto registre o exato dia do início de nossa tabelinha…

já que, em outros negativos, aparece a edna… a primeira companheira que tive na mardita!

se você quer mais infomações sobre a flu fm, dá uma apertada ali em cima no nome/categoria da rádio!

caramba, eu nem lembrava de tudo que lá está!

( :

a cura…

Subject: Dia especial.
“Mauricio,
Somente o Jumboteco (mais uma terça fodástica) e o tico-tico para aliviar a tristeza que nosso Vasco nos traz atualmente. Te escrevo, também, porque hoje após 26 anos, poderei reviver momentos especiais da adolescência com os Cure (1996 para mim não conta). Estou ansioso para mais tarde e vou bem equipado, com um Jameson roubado da coleção da esposa e um fuminho guardado há 26 anos da lata do Solana Star. Fiz um setlist especial, sonhando que eles toquem ao menos um terço do que desejo. Obviamente, e com todo o respeito aos demais admiradores, não estou indo para ver as imposições das gravadoras à época, como Let´s go to bed, Friday i´m in Love, Love cats, Close to me, etc…, vou somente para ouvir Three Imaginary Boys, Seventeen Seconds, Faith, Pornography, Japanese Whispers e The Top. Existencialismo, melancolia, vida e morte. Relembrar os bons tempos do Rock Alive, que me preparava, ansiosamente, com K7 na mão, devidamente ajeitada com lápis na roldana para ficar no início da faixa marrom e não perder um segundo de Cure no Japão, Siouxsie & The Banshees, Echo & The bunnymen, Anne Clark, Bauhaus, Joy Division/New Order, Xmal Deutschland…etc. Pqp, sem vocês (Rock Alive, Maldita) teríamos que esperar meses, anos, para poder ouvir algo no vinil….batendo ponto de manhã cedo na porta da Modern Sound ou Gramophone do Shopping da Gávea…Ah bons tempos!!
Querido Mauricio, te escrevo, por fim, para dizer que hoje, para mim é dia de melancolia, curtir depressão com, muita, muita alegria, e isso tudo, também se deve a você. E amanhã, agradecendo novamente, estarei de volta as variedades sonoras do Jumboteco!
Obrigado,
Braço,”
Vasco.

 

carnavalizaNdo…

prestenção, fufavô…

as letrinhas a seguir representam minha adaptação e inclusão no mundo real.

tempos atrás, trabalhei numa rádio onde era “desaconselhado” anunciar um vencedor de promoção que não morasse na zona sul carioca… especificamente: lagoa, jardim botânico, gávea, copacabana, ipanema e leblon… com muuuita boa vontade, poderiam ser cogitados flamengo e botafogo.

fui informado desta papagaiada tão logo acabou a primeira promo que levantei no programa.

como 98% das cartas vinham de outras áreas (majoritariamente niterói, zonas norte e oeste), peguei a “meia dúzia” da ZS e solicitei que “eles” resolvessem a nhaca!

assim como em todos os outros portos por onde o programa se encostou, a maioria absoluta dos participantes esteve conectada às áreas “menos nobres” da cidade de são sebastião!

no entanto, esta foi (e é) a tchurma que fez a pipa subir… sempre foi a rapeize interessada… que jogou junto!

para os “entendidos” em marketing e pesquisa, o pessoal C/D nunca foi interessante aos veículos de comunicação por onde circulei.

tá captando? tá percebendo onde quero te levar?

participei da equipe que criou a flu fm e jamais tivemos consciência do que estava sendo colocado em prática… mas colocamos! mesmo sem saber, a flu fm alastrou, engrandeceu, compartilhou (não existia este verbo) e semeou uma informação musical, até então, ausente do dial.

por lá, também existia a vontade de “comer bolinho carne e arrotar caviar”… mas, por ser de niterói, o caô não colava muito!

diante dos meus cornos o mundo girou… diante dos meus cornos as pessoas mudaram… diante dos meus cornos a curiosidade musical galgou parâmetros… diante dos meus cornos vi zilhões de ouvidos fissurados em legião, the cure, echo, paralamas, DUB, new order, tim maia, siouxsie & the banshees, afrobeat, aztec camera, gang of four, toots & the maytals, pistols & centenas de outros nomes “desconhecidos” naquele início dos anos 80!

ralamos, ralamos pra meirelles… e conseguimos chegar, em 1985, ao terceiro lugar do IBOPE!

o trabalho rendeu frutos gigantescos na segunda metade da década de 80: dois maracanãzinhos lotados com the cure (87), outro abarrotado com new order + echo, siouxsie + circo voador + todos os discos dessa tchurma lançados + dezenas de casas voltadas à nova cena abertas pelo brasa + músicas bacanas nas rádios + uma nova geração da MPB estabelecida.. UFA, a revolução venceu!

todos fizeram o dever de casa! TODOS!

deixei a flu fm em dezembro/85… criei o roNca tripa, radiolla e o roNca roNca… passei pelas rádios panorama, imprensa, globo e cidade + um ano na web, pela usina do som, em 2000. todos eles foram tempos inesquecíveis onde consegui impregnar a marca de quem sempre este a bordo do “jumboteKo”… mas não houve oportunidade de me envolver em algo além do simples fazer um programa de rádio.

sempre sonhei – e trabalhei – para ir além… sempre busquei falar com mais gente, todas as gentes.

até que, em 2006, recebi o convite para fazer parte da Oi fm!

o projeto era crescer junto com uma das únicas possibilidades de suce$$o naquele brasil tão distante: a telefonia celular!

e assim foi – programa ao vivo (dial & web) para são paulo, recife, porto alegre, ribeirão preto, campinas, rio de janeiro, santos, fortaleza, vitória, belo horizonte… com fortíssimas perspectivas de salvador, curitiba e brasília!!! investimento não faltava!!!

com dois anos de roNca roNca na Oi fm, tive certeza absoluta que, de novo, eu estava enfiado num projeto que poderia formar uma nova realidade musical no brasa! tive certeza!

tínhamos uma rede FM montada, uma operadora de celular apOiando, uma novíssima safra de artistas despontando, saturação dos artistas consagrados, a internet jogando a favor… enfim, a realidade era muuuito parecida com a do início dos anos 80 na flu fm! a diferenca básica é que, dessa vez, estávamos cutucando o BRASIL!

nada tirava do meu pensamento que a roda estava prontinha para girar!

e que, a partir ne nossa insistência, a TV globo, finalmente, descobriria o poder da Música! que a imprensa brasileira cairia de boca em novas perspectivas sonoras. que o Rádio despertaria… que a informação circularia livre, leve, boa, e solta!

ué, bastaria o “empurrãozinho” de DEZ rádios espalhadas pelo brasa reverberando, afinadamente, um novo jeito de tratar a Música para TUDO mudar!

mas, infelizmente, a roda mal saiu do lugar… claro, tivemos alguns sopros aqui e ali… mas nunca como deveria ter sido.

as amarras do busine$$ desmontaram todas as minhas expectativas… o projeto inicial foi minguando e tudo acabou do jeitinho lamentável que conhecemos.

no meio do trajeto, o brasil mudou bastante, as classes C e D passaram a ser O alvo da comunicação… só que o “conteúdo” levado para elas degustarem sempre menosprezou a inteligência brasileira… tá certo, não vou entrar nesta gaveta, senão a coisa vai ficar muito longa!

(lembrando que a afinação nesta conversa é, principalmente, musical, ok?)

a internet ganhou proporções dantescas e tratou de horizontalizar tudo e todos…  a profundidade da piscina passou a ser igual a do lavapé… descartar é um dos verbos mais conjugados. o planetinha gira a uma velocidade estonteante, nada fixa, a tonteira é constante… sério, lascou!

é assim que a banda toca… e neste show, não há mais espaço para o meu sonho que virou realidade, nos anos 80… ou para a minha certeza, de meados dos 00, que desceu pelo ralo… atualmente, não há lugar para a expansão, para formar, para multiplicar, em grande escala, assuntos que fazem parte da bula roNca…  basta apurar o “material” em nossa volta!

não sinto sodade nem tristeza,  muito pelo contrário… simplesmente, estou certo do meu quadrado. que adoro e defendo  – cheio de orguho e esperança – até minha última gota de suor… esteja onde eu estiver! hahaha… épico mas é vero!

mas todo este bláblá foi para colocar, aqui no tico, um email que enviei aos ex-companheiros de Oi fm, exatamente, às vésperas do carnaval de 2008… simples assim:

 

82.83.84.85_(15)…

ontem, após longa conversa com luiz antonio mello (o pai da flu fm), minhas pernas estremeceram… e me arrupiei todo… saí do ar, literalmente!

prestenção…

fui assuntar com ele os “códigos” da identificação deste K7…

e ele foi fundo… muuuuito fundo ao observar o artefato, aqui, no tico:

– “maurição, você tem um tesouro em mãos. quer dizer, nós temos esse tesouro. afinal, o K7 mostra a reação de todos da fluminense à morte de samuca wainer que, junto comigo, idealizou a rádio. essa fita, que você guarda há 28 anos, foi gravada pouquíssimas horas depois do fatídico acidente ocorrido com samuca, em araruama (RJ). pelo amor de deus, ouve o que está registrado nessa C60, trata-se de um pedaço de nossas vidas. era uma sexta feira, 29 de junho de 1984, dia do seu rocka26 (rock alive de segundas e sextas) e nós tínhamos acabado de saber da notícia. estávamos todos no estúdio. lembro, perfeitamente, que você queria tirar a rádio do ar por um tempo”

mamãe!

ainda não tive coragem de colocar o K7 para rodar… também com receio dele se partir, pelo tempo “arquivado”!

que coisa!

82.83.84.85_(13)…

este é o cartucho, a forma como a maioria da músicas da fluminense fm era colocada no ar…

assim como em qualquer outra rádio entre os 70 e 80.

a operação do trambolhinho aqui em cima era mais fácil que a dos concorrentes: K7, vinil e rolo!

o do maytals até que foi bem tocado na época… por mais que sempre tenha criado um grande “mal estar” entre os da rádio que não reconheciam a jamaica como um dos berçarios da boa música planetária.

ficou com vontade de ouvir o clássico?

( :

por falar na ilha, semana que vem, o ambiente vai ficar muito enfumaçado, aqui, no poleiro!