futebol

alexandre e a (premeditada) ignorância do brasileiro…

estamos comentando jornalismo/informação/TV/rádio/UÉBI, ok?

pois bem, foi colocado aqui o desconhecimento de muitos sobre fatos importantes do início da História do negão. procede?

como era previsto, mesmo com toneladas de informações exibidas, ontem, sobre esse mesmo início, a mídia “se esqueceu” de informar os tais fatos conectando o negão ao CRVG. normal, sempre foi assim e assim será forévis… mesmo com a contundência das palavras proferidas pelo rei que estão nos links que postamos.

vários de nossos leitores, sem clubismo, demonstraram espanto com o fato de jamais terem sido alcançados pelas palavras de edson creditando seus primeiros passos no futiba ao CRVG… e pela imagem da desconhecida camisa1000.

alexandre foi um deles…

Subject: Pelé
“Mauricio,

 
Como é possível (?), eu com a minha idade avançada em mais de meio século, e com tanta informação com a qual me nutri sobre futebol desde 1975 (ano no qual comecei a ler o Jornal do Brasil e O Globo comprados diariamente pelo meu pai), JAMAIS ter visto essa imagem do Pelé (em foto ou vídeo), na histórica noite dos “Mil Gols”, correndo com essa camisa do Vasco com o número “1000” às costas?
 
Que sujeira da nossa imprensa !!! 
 
Li muito sobre esse dia, ouvi muito o meu compacto com a narração do Waldir Amaral (“Andrada é o goleiro Rei!”), vi inúmeras vezes essas imagens, mas NUNCA, JAMAIS vi o momento do Pelé com a camisa do Vasco! 
 
Nem sou fã do Pelé, embora o admire pelo super craque e atleta que ele foi; sabia que aqui no Rio ele simpatizava com o Vasco, mas toda essa imensa identificação (familiar, étnica, factual-pessoal), eu desconhecia – e a esmagadora maioria do povo brasileiro ignora.
Eu, que não trabalho mais com esse tipo de mercadoria, li e constatei que estavam certos. Isso não é jornalismo!
Um forte abraço 
(e estimo melhoras ao Nandão),”
 Alexandre

 

bilé, 8.0 (ou a História que pouquíssimos conhecem)…

8.0 no bolinho do mais inoxidável futebolista on earth, nossa majestade, o rei dos reis, o number one dos gramados… UAU!

o planeta está abarrotado, ainda mais hoje, com zilhões de Histórias sobre o rei pelé… mas há muitas outras que, por diversas razões, seguem distantes dos apaixonados pelo jogo de bola. longe dos curiosos. amoitadas para a garotada. léguas away da mídia. procede, tunel?

certamente, a maioria absoluta dos tripeiros jamais ouviu/viu os relatos que seguem… então, nada melhor que compartilhar esses momentos no exato dia dos oitentinha do negão. prestenção…

cheers

( :

para ser (muito) estudado pelos interessados em comunicação…

acordei, hoje, querendo saber o resultado do jogo de ontem entre cruzeiro e juventude que estava 0 a 0 até metade do segundo tempo.

fui ao globoesporte.com e…

Por Guilherme Macedo — Belo Horizonte

O primeiro tempo do jogo contra o Juventude deu uma amostra quase perfeita do que o Felipão encontrará em Belo Horizonte. Nos primeiros 45 minutos, o Cruzeiro teve erros que se repetiram durante todo o ano, com Adilson Batista, Enderson Moreira e Ney Franco.

A começar pela saída, que é muito lenta. A bola roda demais entre os laterais e os zagueiros. Os adversários têm muita facilidade para marcar, assim como têm para saírem jogando. Achar espaço entre as linhas do Cruzeiro é fácil desde o início do ano. Nessa sexta, no primeiro tempo, também foi.

As chegadas que incomodaram Marcelo Carné no primeiro tempo sequer foram em finalizações. Jadsom, em uma bola adiantada, foi parado pelo goleiro, e Maurício levou certo perigo em uma bola atravessada, que mais pareceu um cruzamento para Sassá do que um chute.

O setor de criação praticamente inexistiu. Jadsom participou bem, chegando de trás, mas Maurício e Régis seguem muito mal. Dar regularidade a essa dupla foi algo que nenhum técnico conseguiu, até agora. Giovanni Piccolomo ficará à disposição em breve e será mais uma opção para o setor.

O segundo tempo foi bem melhor, principalmente na segunda metade. A marcação do Juventude já dava mais espaços, sobretudo pelas pontas. Daniel Guedes apareceu mais, assim como Airton. Maurício e Régis seguiram mal. Não foi uma atuação brilhante, mas o time teve um volume considerável de chances claras, sempre chegando pelos lados, fosse com bola rolando ou em escanteios. Marcelo Carné estava em noite inspirada.

O que fica de positivo para o Felipão nesse jogo, além da melhora no segundo tempo, é a entrega do grupo e as boas atuações de jovens. Não dá para negar que o time brigou mais, lutou mais. E os times do Felipão têm essa característica. Entre os jovens, que formam parte importante do atual elenco, destaque para Rafael Luiz, Jadsom e até mesmo Welinton. Preterido por Enderson na reta final de trabalho, reintegrado (mas nunca utilizado) por Ney, o atacante entrou bem e mostrou que pode ser uma boa alternativa de velocidade, que muitas vezes falta ao Cruzeiro.

Felipão chega com status de “salvador da pátria”. A missão dele é inédita e quase impossível, não só pela situação na tabela, mas por tudo que envolve essa vice-lanterna. O time está nessa condição porque apresentou futebol de zona de rebaixamento na Série B na maior parte das 17 rodadas.

DAQUI

######

li uma vez apressado e não percebi o resultado do jogo… ok, prestei mais atenção na segunda leitura… e nada do resultado. pensei com meus botões: “será possível que o GE não se tocou que a informação mais importante do texto não foi ao ar?”

oxente, vai ver o bagulho está nos meus cornos e não estou avistando.. JISUS

mas não, não foi ao ar… mamãe! muita poesia, charme (?!), sagacidade, estilo (?!), palavras  de efeito (sem revisão), conhecimentos táticos mas nadica de, simplesmente, escrever quanto foi cruzeiro X juventude… que comédia!

JISUS… vou ligar pro samuca pra saber o placar!

esse fenômeno do jornalismo deve ser estudado pelos interessados em comunicação e merece ser emoldurado… afinal, é uma joia da modernidade!

p.s: acabei de falar com nandão (a criança está ótima) que foi preciso… “resultado é o de menos, o importante é dar opinião, tirar onda, bancar o estrategista, escrever merda” (a leNda)