torcida

aTRIPA balançando o coreto…

Assunto: Pedido

“Bom dia, MauVal!

Encontrei uma relíquia recentemente que me fez matutar… Daqui a pouco completará 15 anos que dei com os cornos no Ronca Ronca. E, claro, nunca mais me afastei desde então.

Foi no fim de 2005 que me encontrei, mas no começo de 2006 a sorte bateu na minha porta como poucas vezes: ganhei uma promoção na extinta Rádio Cidade e fui presenteado com um par de ingressos para a Festa Ronca Ronca, que seria realizada naquele mesmo dia, no Teatro Odisseia.

Mas como um estudante residente no alojamento estudantil que não tinha no cu o que o periquito roesse poderia ir a uma festa assim? Eu não tinha dinheiro pra beber, sequer pra passagem de ônibus. Fim de mês, todo mundo liso.

Mas corri atrás e consegui uma ajuda de custo. Um camarada me emprestou o dinheiro e a prima, porque nem companhia eu tinha.

Da festa em si lembro muito pouco, mas conversei com meu colega de sofrimento Lopes Maravilha, como também com o Antônio Rogério e ainda consegui descolar, junto de Vossa Senhoria, uma camisa do Ronquinha, a qual uso até hoje, e um CD do Wilco, que segue em anexo pra comprovar a traquinagem.

Se ainda der tempo, gostaria de pedir que o próximo programa seja o que mais amei, o que ouvi umas 20 vezes (sem exagero): o – se não me engano – 113, com o Carlos Moore.

Pograma inoxidável e inolvidável, que, se tudo der certo, irá ao ar no exato dia em que completo 38 primaveras.

Grande abraço, saudações alvinegras!”

Ramon

+

Assunto: Ronca Sobrenatural

“Maurição, nesses tempos insanos que estamos passando o Ronquinha tem sido meu bote salva-vidas, cara. E tô escrevendo porque ta rolando umas conexões sobrenaturais nesses dias com o Ronca.A deprê do isolamento e a distância da filhota por causa do coronga sempre bate, e é foda. Aí só a música salva! Nessa onda de VAPODN que tá rolando, aproveitei pra ouvir uns programas antigos. Aleatoriamente, tô indo na tripa e buscando uns números: 222, 321,etc.
E dessa maneira, totalmente aleatório, os programas vão se conectando, mermão!!!
Um dia coloco um número tal que é uma homenagem ao Mark Smith. Outro dia, num outro programa número tal, você mostra que Light/Fireworks foi o sample do Rio, Pontes e Overdrives!
Escutei o VAPODN dessa semana com o Midani, na quinta, e hoje escutei o 211, de dezembro de 2016. Cara, você coloca o Omar Suleyman, fala da Síria é…lembra o Midani!
Falou do Family, que foi o programa VAPODN com o Ed Mota. Surreal.
E esse Ronca 211 ainda recebe BNegão, dá parabéns pro Yuka – que ontem ouvi um programa que você colocou o Rappa ao vivo, na rádio Imprensa- e lembra do Damião Experiência! Caralho, já salvou minha semana.
Pra todas as religiões e crenças. Conexões sobrenaturais!
Krisnha, Buda, Jesus ou Alá!
Salve, Ronca Ronca!
Abs”
Chico

gustavo, arthur e leonardo…

Assunto: Leonard Cohen

“Fala MauVal,

Tempos estranhos, tentado manter a sanidade aqui, espero que faça o mesmo.

fui no mercadinho portuga perto daqui e dei de cara com mais um mural dele
Não era esse que eu tinha pensado em tirar a foto com a caneca, mas fica o registro (eu e meu filhao Arthur)

Ps: com a crise, agora mesmo que não sei quando a porcelana chega…

Saúde pra todos nós,

Abraço”

Gustavo (Montreal)

epaminondas, “my sweet lord”, lita ree, “ocupa tempo”…

Subject: Ocupatempo #4 tia Lita Ree Preston
“Fala Mauricio!

Escrevo agora na madruga porque senão periga eu não lembrar de postar, pois praticamente só tenho ouvido música na quarentena global.
E ao ouvir “My Sweet Lord” em modo gratuito shuffle com Nigel Preston no ocupatempo4, imediatamente sinapsei: “caraca! Essa porra é tia Lita Ree oficial da era Palha, cantando ‘Chega Mais’”. Mas aí, como de praxe, Nigel mostra como é que se faz. Putz! Muito foda!
Sobre a penitência de guardar os CDs, eu juro pra você que, se não fosse o coronga, eu trabalhava de graça pra você – desde que você me disponibilizasse no local um cd player para a minha eventual curiosidade sonora.
Tenho ouvido direto os ocupa tempo, além das duas horas habituais de quinta-feira.
Obrigado por tudo!”
Abraço”
Epaminondas

zé da maré direto da maré…

“E aí Mauricio!

As coisas por aqui estão tranqüilas, excessivamente até…o termo “quarentena” ainda segue aparentemente desconhecido pela maioria das pessoas; estou saindo de casa pro básico, ir no mercado ou algo assim, mas vendo que o cotidiano segue praticamente inalterado, ruas movimentadas, bares cheios, a excessão foi a tradicional feira que tem aos sábados a mais de cinquenta anos, que não aconteceu pela primeira vez a duas semanas mas já está voltando aos poucos, e o baile que também estava a acontecendo aos sábados aqui perto (sempre com alguma atração de funk ou pagode e que reunia milhares de pessoas, a maioria vindas de fora) também não está acontecendo. Fora isso, a galera tá na onda do Leminski, “Distraídos venceremos” rs. Obviamente também tem muita gente que segue trabalhando pois quarentena não é opção no momento, se não trabalhar de dia, não janta à noite. Mas enfim, a percepção mais realista é que a maioria das pessoas está esperando dar uma merda , morrererem vinte daqui de uma só vez pra aí sim sossegar em casa ou ao menos sair de máscara; ainda não tem nenhum caso confirmado na Maré e espero que continue assim, pois se a coisa chegar aqui (e é só uma questão de tempo), deve se disseminar rapidamente devido ao movimento intenso de pessoas que ainda não pararam de transitar, a proximidade das casas, as ruas estreitas, entre outros fatores. Enfim, que essa praga passe o mais rápido possível e que os danos e mortes sejam abaixo que as estimativas.

Valeu Mauricio, abraço, até +”

Z

nelson, midani, avós, damasco, o #382 (ou are you experienced?)…

Subject: Damasco ,reflexões ,música , memorias e Tom Jobim e é sempre bom aprender com a experiência dos mais experientes
“Mauricio meu caro tudo bem com você ?

A pauta é grande segura as.letrinhas… …tempos de mudanças para se redescobrir o que nunca deveria  se ter esquecido ou ignorado… manja?

Eh sempre bom ouvir novamente algo bacana de pessoas que tem o que dizer de verdade que verdadeiramente acrescentam   …até porque se percebe nuances e reflexões que tenham passado batido ou vem a mente lembranças e pessoas  …procede?
Aliás agora os ignorantes, cínicos  e egolatras (egolatras pode?)do mundo vão ter que “ouvir” na porrada a realidade do mundo, dos fatos e da ciência e vão ter que fundamentalmente olhar de verdade a realidade  dia após dia e agir para além de seus próprios umbigos ou daquele trem que balança com  conteúdos irrelevantes e imagens fúteis e inúteis..aliás olha a canção do ultraje …
E aí vem a frase impactante “tenha dinheiro tenha poder seja humilde com teu poder e parcimonioso com teu dinheiro e seja audacioso onde você bota o teu poder e teu dinheiro “…preciso comentar a frase do convidado do programa ou como dizem atualmente quer que eu desenhe ? Nestes tempos cínicos de mudanças de paradigmas mundiais entre humanos esta frase diz quase tudo …procede ? ..
“Tom Jobim é o nosso maior compositor clássico brasileiro ..nosso número 1….” Tem Wagner Beethoven e tem Tom Jobim … E me veio a lembrança de um show a céu aberto no Jockey club do rio com Tom Jobim e banda …noite de estrelas e lua cheia e cantar junto baixinho e da felicidade plena …preciso desenhar ?
E pra arrematar” olhar para o artista olhar o sujeito a pessoa e seus desejos olhar o fundo do olho dele do artista “…preciso desenhar ou isso eh o que verdadeiramente importa!
Então me veio o  gosto e a lembrança dos biscoitos duros e deliciosos  da minha avó que ela escondia pela casa dela para a gente não comer tudo de uma vez e ela ter que fazer de novo kkkk e da torta de pão de ló de damasco da outra avó que só fazia a torta em ocasiões muitooo especiais e aquele momento era o ápice de um almoço ou jantar em família que todos simplesmente ficavam ansiosos esperando …damasco me lembra minha avó e a torta e a experiência dos mais experientes que alguns “seres humanos” andam desprezando a céu aberto …coitados …perdoai eles não sabem o que falam…
E o encontro Gil Jorge e ainda com Clapton e cat Stevens eh isso mesmo affmaria! …são deuses mamãe kkkkk…a atualização do “é Deus mamãe” kkkkk…aliás eu acho que a vinheta do Gil deve estar sempre colada a vinheta do mamede  porque assim se revela a síntese sertão..ser tão e  cidade ..nordeste e  amizade …comunicação e música … obá…a totalidade da verdadeira missão da música e do rádio …manja?
Eh isso Mauricio se cuide vc e toda a equipe do ronca e todos em casa… que é o que devemos fazer agora …e respeitem os mais experientes e ouçam os mais experientes e aprendam com os mais experientes e reflitam sobre o que dizem os mais experientes e cuidem dos mais experientes como o sabor de uma torta de damasco feita em ocasiões especiais assim como o programa com o homem genial de damasco .obrigado pelo programa e obrigado ao rapaz que recuperou o áudio do programa ..
Todos em casa faz favor e a musica salva..
Forte abraço cheers”
N.T

flavão “selvagem” e a selvageria na ilha…

Assunto: Kaôzotic stories

“É… surubada em Paris, picolé em Calgary, açúcar em Berlim, biscoito em Leeds. Que mundo!

E na Baía da Guanabara, Paquetá, Ilha do Amor, como será que andam as coisas?!

Meu preto, ontem tive que ir para o supermercado aqui na jurisdição da Ilha do Amor. A banana acabou (saca?) e sob ordens expressas da matriarca D. Capivara, 84, fui designado para tal missão.

O esquema foi Chernobyl: luva de mergulho/neoprene, máscara césio 137, capacete specialized fluorescente, uma faca que ganhei de um artesão no sertão do Piauí na cintura, bota de borracha, roupa velha e mais uma faca de mergulho, estilo Rambo o Empalador dentro da bota, nunca se sabe né?

Me dirigi inicialmente para um mercado “popular” tipo aquele famoso pelos aniversários sold out saca, skol 0,65 centavos, balde de margarina 1,90, carne 7,50 o kg. Fica localizado num bairro residencial, próximo de uma das subidas para o tal morro “que é ruim de invadir”. Pois bem. De carro passei em frente ao estabelecimento e por um segundo pensei que esse papo de Covid 19 era k-ô. Juro, arrisquei descer do carro e meio de longe, olhei, pensei, desisti e voltei pro 4×4. Juro, a casa estava muiiiito cheia. Cheio de irmão da mendicância na porta, carrinho de bebe pra lá e pra cá. A massa caindo pra cima de ovo de páscoa. Aí doido, uma loucura! Bolei…inacreditável!!!

Atônito, vazei dali e fiz nova tentativa, dessa vez num mercado conhecido localizado numa “avenida”, com acesso mais conveniente para quem chega de carro. Nesse você sentia a pressão psicológica, meio vazio, maior esquema de segurança com aqueles locutores informando os cuidados que deveríamos ter, mantendo a distância segura nos caixas, aguardar. Os clientes nitidamente, como eu, estavam na atividade.

Bom, durante as compras eis que me deparo com uma câmara fria lotada de “Rainéquen”, aquela ordinária holandesa, tá ligado? Como estou no período sabático imposto pela quarentena, chorei de emoção, depois ri, salivei. Era como se uma deusa dos países baixos, com aquelas tranças ruivas dissesse “vem Flavão, vem com tudo pra cima meu nêgo!”. Próximo a câmara, uma torneira e sabão líquido para os clientes higienizarem-se aí hahahahaha. Contabilizando o tempo que restava e os ítens a arrematar, peguei 4 latas, lavei e que felicidade. Uma a uma sendo sorvida naquela arapuca humana chamada supermercado. Que fim dessa existência dedicada a destruição de tudo e todos, massacrante, criando dependência das coisas mais inúteis possíveis. Que foda mal dada a de nossa espécie…

Entretanto, baixei a guarda achando que estava na moita, passando batido. Foi questão de tempo pra eu levar uma chamada “na moral”, papo retão do amigo da Swat que fica de butuca atrás de adictos e outros cidadãos suspeitos dentro do recinto. Com a diversão interrompida, Mercita e yo fechamos o pacote, vazamos e foi isso até chegar em casa e cumprir todo o protocolo ritual de limpeza para entrar na ocupação. As facas?! Não precisei usá-las…

Redigi esse kôzinho ouvindo Dark Doom Jazz (vários e meio sombrio), Stanley Clark (1974) e Billy Cobham (Total Eclipse, 1974). Todo abril “ovo” discos lançados em 74, mês/ano de meu nascimento. Aniversário, parabéns, lembrança roNca?! Já são 18 anos sem um “parabéns neguin, já é, me dá um real aê”…triste…

Que mundo!”

Prof. Salvaje,
Alive in Baía de Guanabara

joão-berlim e marcio-calgary (ou aTRIPA de fora na pista)…

Subject: Notas de Berlin
“Fala MauVall, alô Nandão, alô tRipa!
Atendendo a convocacao, envio daqui de Berlin algumas letrinhas sobre a situation, situation pode? que esta pairando no momento. Berlin tem uma vida cultural, artistica e noturna das mais sinistróides do globo. São muitos museus (só os estatais são mais de 12, incluindo um só para fotografia, e ainda tem um privado de fotografia que tambem é foda!), cinemas, galerias, clubes, espaços pra shows de todos os tipos e tamanhos… muita coisa mesmo! E tudo isso está parado que nem água de poço.
O mais interessante é perceber como esse aspecto da cidade, a vida cultural, é tão importante pra moral e pro bolso de Berlin. Só quebrando a normalidade da situação de “ah, eu vou ali na esquina e vejo uma banda bacana. ah, eu vou ali na outra esquina e vejo uma super exposição” pra galera sacar a importância de tudo isso que se tornou o óbvio, mas que de ordináio não tem é nada.
Triste está a situação dos artistas e dos espaços que não são públicos. TODOS os clubes, lugares como o Gretchen onde tocam gente do calibre de Mulatu Astatke, João Donato e Sean Kuti, estão fazendo campanhas pra poder pagar o alguél e suas equipes. A corda está no pescoço de geral! Eu, que por sorte não vivo da música, já perdi 4 Gigs como DJ só nessas últimas semanas… um amigo teve que cancelar um festival com mais de 15 shows programados… a única boa notícia é a agilidade como o governo reagiu a tudo isso. Um pacote de ajuda para artistas foi anunciado e em 15 dias a galera já comecou a receber uma grana pra aguentar esse primeiro baque.
Ainda não há previsão pra volta da normalidade, mas eu prevejo um verão muito louco pela frente. Além da euforia com a chegada do calor, vai rolar uma piration  generalizada depois de tanto tempo de moita.
Abraços pra geral & saudações listrarinhas.
João Xavi
PS: que saudade de ver o Mengão
PS 2: porra, parou tudo logo agora que o St. Pauli tava começando a engatar umas vitórias!
+
Subject: Calgary (CAN) …
“Estamos aqui isolation total na terra fria do Norte..!
Os calgarianos parecem com os Vulcanos , primos do senhor Spock, seguem as regras sem discussão, dentro de uma lógica óbvia de sobrevivência..!
Tudo de “olho parado“ vendo o vizinho USA viver o thriller de Michael Jackson sem os zumbis dançando..(infelizmente). Mas ,vida que segue ( e tem que seguir)
aqui no Canadá ,como aí no Brasa, sem o ronquinha ,por ora, agora ,com a saga #ocupa tempo …pra nos salvar do coronga e os trapalhões do planalto…
Espero que esteja sempre atento e forte Maurição!!
Fortíssimo abraço!!
Ronca forevis!!

Cheers 🍻”
Marcio

barra pesada (ou a música salva)…

a comunicação com a ouviNtada é algo extraordinário, ela remove montanhas, anda sobre oceanos, bate de frente com os búfalos, uma fonte de energia “desconhecida”.

já comentei zilhões de vezes que se não fosse esse corpo a corpo com aTRIPA, na boa, o roNca seria passado… simples assim!

guardo há décadas muitas e muitas cartas (é verdade, elas existiram até ontem) que contam a História de nosso tempo… mas, sobretudo, das pessoas que foram fisgadas pelo poder descabelado dos soNs… sinistróide!

tem tempo que não menciono a missiva (talvez no roNca tripa / around 92  /  panorama fm) de um ouvinte policial que disse estar preso por ter dado um pipoco fatal num cidadão que, com uma turma, estava linchando seu filho numa festa… resultado, bangu3.

a carta é de arrancar sangue dos olhos, ainda mais (pra mim) quando ele diz que o programa era um bote salva vidas em meio ao massacrante terror da solidão… PQP!

pois bem, o tempo passou, estamos em 2020… e eis que chega – essa semana – a primeira comunicação enviada pelo leaNdro que passou pela mesma experience do ouvinte de 1992 …

“Errei muito nessa vida fiquei preso por 10 anos me regenerei, mas na prisão eu ouvia o ronca ronca nos tempos da oi FM… e mais o quanto me fazia bem, aprendi muito passei a ouvir certas bandas através sou fã ouço até hj. só queria q soubesse q o programa d vcs traz uma reflexão positiva… etc fã TDS vcs👏👏👏

Tinha na cabeça q um dia ia lhes dizer de alguma forma e agradecer.
Aí está”

Leandro

e aTRIPA de fora? (ou e xavi, evinha, gustavo, MBC, ralph, carmela, marcelo, ricardo, patricia, felipe…?)

no dia 20, coloquei AQUI os relatos de marcelo “caipirinha”, pedro “blackhill” e diegão de como estão as situations em leeds, londres e dublin. lembra?

as letrinhas ecoaram freneticamente na ouviNtada.

ontem, mostrei a mensagem do eduardo que está em paris… e neguinho pirou com a multa que está sendo imposta a quem colocar os pés nas ruas da cidade luz.

portanto, é a hora d’aTRIPA de fora se manifestar… procede?

hein?

eduardo, chengdu, paris…

em julho do ano passado, pipocou aqui no tico uma mensagem espetacular de nosso ouvinte eduardo – acima – que estava morando em chengdu (china)… lembra?

olha ela AQUI

em seguida, ele mandou outra mensagem também lá do outro lado do planetinha com relato cascudo e ótimas fotografias … AQUI

e aí, ele deu uma secada na correspondência, o tempo passou… e aí, o furacão covid-19 começou a soprar lá de onde ele estava… e ele sumido… mandei um pombo perguntando por ele… até que, ontem…

Assunto: Re: salve, eduardo! kédi tu, rapá? cheers

“Maurição e Nandão!

Galera! Que saudade doceis!
Depois daquela temporada em Chengdu, China, dei uma sumida do Ronquinha. Voltei pra Paris, fiquei preparando exposição, encomendas, me juntei com uma galera aqui e montamos um Squat (ocupação) de artistas num prédio enorme e muito doido. Doida também é essa turma e claro muitas experiências também maluquíssimas: exposições, acões artísticas, festas memoráveis, performances, protestos, suicídio, muita música, apresentações, polícia, drogas, muito vinho, etc. Estive no Brasil no fim do ano e acabei não conseguindo passar no Rio pra dar um abraço em vocês como combinado. E espero que antes do fim do mundo a gente se trombe ainda.
Por aqui ja vamos para a terceira semana enclausurados. Assim como no Brasil as medidas de quarentena vieram aos poucos e quando percebemos já não podia mais sair nas ruas. Aqui as pessoas precisam de uma declaração assinada dizendo o que vão fazer, o dia, a hora e blablabla, senão toma uma multinha de 35 euros e se é reincidente vai pra 130 euros. Bom, ainda não tomei a primeira. Estou fechado no Squat o tempo todo com mais 50 artistas. Imagina o tipo de quarentena que não tá rolando por aqui! ahahahah
Eu ia para o Brasil agora dia 8 de abril mas cancelaram meu voo. Não sei quando irei agora novamente mas assim que rolar prometo fazer aquela visitinha. Claro que depois dessa disgreta de pandemia.
Enquanto isso, assistimos abestados o fim de um tempo. As coisas irão mudar um pouco depois disso. Esperamos que seja pra melhor! eheheh
Vamos nos falando.
ah! Senti falta do ronquinha na semana passada.

abração forte pra vocês”

Eduardo