vinil

papaizão…

bigpapa

identificou algo familiar ao poleiro no lado esquerdo da parede?

pois é, essa é a loja big papa discos, em são paulo… na barão de itapetininga, vizinha às galerias da 24 de maio. aliás, a chamada galeria do rock estava abarrotada, no sábado… mas muuuuito cheia. D+!

o fato é que a big papa, contrariando os últimos anos, não veio ao rio pra feira de vinil, no bennett… claro, cheguei junto da lenda:

papaizão, qual foi de vocês pipocarem na feira?

ele:

– mauricio, você sabe que adoramos sua cidade mas a coisa lá está muito na modinha. as pessoas que antes apareciam querendo discos fora do óvio e do hype sumiram e a gente achou melhor ficar por aqui mesmo com a clientela cascuda de sempre.

como, sutilmente, dizem os homens do fogo: “welcome to hell”

a lojas de porto alegre no século passado…

falamos no #188 do adesivo da star discos coladão no compacto do noriel vilela… lembra, né?

star.discos

pois bem, o rodrigo – em modo “descubra” total – correu atrás da informação sobre o estabelecimento e garimpou o blog do jornalista emilio pacheco com o espetacular raioX sobre as antigas lojas na capital gaúcha:

Assunto: Star Discos
“Olá, Mauricio! Tudo bem?
O #188 está muito bom!
Encontrei a “information” sobre a Star Discos:
Clique AQUI!
Um abraço!”
Rodrigo

vai um disquinho aí?

feira2

um detalhe interessante, principalmente, aos que se apaixonaram por vinil nos últimos tempos: você pode até se arrepender de não ter colocado as garras sobre determinado disco mas fique certo que um dia ele cruzará seu caminho… basta procurar.

resumindo a ópera, não vale a pena se aporrinhar pelo leite derramado, estourar o bol$o ou entrar em disputa corporal (tipo acima) para conseguir qualquer que seja a pepita… mas não vale mesmo.

até porque, na maioria dos casos, você não estaria atrás do compacto de uma banda búlgara, lançado em 1966, com tiragem de doze cópias, procede?

e vamos combinar que essa banda deve ser ruim pra meirelles (hahaha)… afinal, se fosse boazinha, teria mais gente interessada nela para aumentar a circulação.

o mais importante de tudo é a Música, em qualquer suporte (vinil, K7, cd, MP3, digital).

cheers

( :

a “feira” & a feira…

feira2

excelente a feira de discos que aconteceu, hoje, aqui no rio. muitas ofertas a bons preços e outras tantas pra lá de salgadas… como sempre, um dos pontos mais positivos é encontrar a rapeize fissuradaça em música.

mas o fato é que, como em 110% das situations no brasa, sempre fica aquele gostinho do “alguém me passou pra trás” ou “tem gente se dando bem e não é a maioria”.

esclarecendo: como você bem sabe, o mercado do vinil tomou proporções $inistróide$… sobretudo, a compra&venda das edições originais da música brasileira. com essa nova po$$ibilidade de faturar, muuuuuita gente mergulhou na comercialização das pepitas.

ok, ótimo, quanto mais interessados na cena melhor pra todo mundo.

acontece – e não é novidade – uma feira como a de hoje sofre interferências barra pesada dos que são, a princípio, meramente, intere$$ados nos discos… captou?

ou seja, quem está por dentro da feira – por exemplo, administradores/expositores – coloca em prática uma feira extra exclusiva para essa tchurma.

tipo, o horário de “abertura” da “feira” foi 11h… pois bem, teve neguinho “da$ interna$” que chegou às 9 da matina para “recepcionar” os vendedores… na calçada do bennett, local da “feira”.

outra, determinado expositor/vendedor cascudão aqui do rio, quase sempre chega com a “feira” beeeeem começada… como o material dele é muito especial, quando o elemento estaciona o carango, os “intere$$ados” montam uma tropa de choque em frente ao espaço – ainda vazio – do referido comerciante e ali ficam até os discos serem colocados à venda.

a fotoca de hoje é, exatamente, no instante do “sinal verde”… dá pra perceber que das três caixas com discos, duas (ou as três) estão sendo operadas “a socos & pontapés” por gente com crachá da “feira”… manjou?

prestenção, esse relato está longe, muuuuuuito longe, do chororô de alguém ter levado um Lp que eu estava querendo ou qualquer situação parecida. o que importa é a corriqueira sensação que a grande maioria jamais terá acesso à Feira como ela deveria ser.

fica aqui a idéia dos expositores/vendedores criarem uma feira exclusiva para eles… coisa normalíssima em qualquer mercado muito concorrido…. e aí, depois deles terem feito todos os negócios possíveis, eles montam uma feira para os que, simplesmente, ambicionam adquirir discos com alguma “prioridade” e que são os verdadeiros responsáveis por fazer essa roda girar… tadinhos de nós!

simples a$$im

ah, pra fechar… na saideira, passei pelo ponto da rapaziada bacanuda da tropicália discos (bruno & márcio) e avistei um sujeito embolsando o que seria um dos meus discos mais desejáveis do dia: “sound” de roscoe mitchell.

olhei pro cara e disse: caramba você está levando um disco monumental que tenho numa reedição. essa versão original da delmark é alucinante.

o sortudo disse: estou com o dinheiro curto se é pra gastar que seja com algo foda.

e eu deixei a feira felizão por saber que, a essa hora, roscoe mitchell está deixando um apaixonado por música coladindo no teto!

simples assim