big boy

DJs!

hoje, é o dia do radialista!

não sou muito chegado a esse tipo de “comemoração”… dia disso, dia daquilo, manja?

enfim, que sirva para muita gente lembrar/conhecer a função do comunicador.

o “dever de casa” pode começar por este aqui:

( :

grande garoto!

esta é a capa da edição number 1 da rolling stone brasileira, fevereiro de 1972…

ao desdobrar o jornal, a gente dá de cara com…

uma matéria desorientante com o mais importante nome do rádio brasileiro… na gaveta pop/rock.

newton duarte começou a colocar o rádio de cabeça pra baixo por volta de 66/67… época d’ouro onde beatles/dylan/hendrix/stones/zep/who/kinks & cia limitada diziam de onde vinha o apito do trem, sacumé… né?

big boy, o newton, fez quase tudo na mídia dos 60/70… mas, sobretudo, tinha o objetivo muito claro de levar Música (sentiu o M?) aos ouvidos dos desprovidos… ou seja, o objetivo de formar uma nação, um país… o brasa!

nós!

o poderoso sinal do sistema globo de rádio servia, em AM, o cardápio finíssimo que newton preparava – com tanto conhecimento e paixão – aos mais remotos ouvidinhos auriverdes.

o tempo passou e big boy subiu aos 33 anos – I REPEAT, AOS 33 anos – deixando um espaço que nunca foi ocupado… e jamais será!

sempre afirmo que uma das grandes causas do nosso emburrecimento musical (= ao geral) deve ser creditada ao sumiço dele de nossas vidas.

quando escrevo “nossas vidas”, quero dizer – de nossos pais, amigas, avós, tias, namoradas, padrastos, primos…

confere?

de uns anos para cá, big boy foi lembrado e reconhecido… felizmente!

virou um mito… e como tal, todos citam, muitos tiram onda, outros tantos sentem saudade…

mas muito poucos têm noção da batalha que ele travou para não se desviar daquele objetivo ali de cima.

a parte final desta entrevista da RS é de doer de tão triste.

a sensação de solidão que ele transmite é de arrepiar… é incrível como, anos depois, não sabemos nada do que se passava pelos corredores do SGR.

é surpreendente como big boy teve de engolir várias manadas de sapos para se manter no ar. é triste saber como seu talento nunca teve espaço decente para se desenvolver 100%… mas fica a certeza de que nada dobrou sua obstinação.

( :

não se esqueça de pegar a caixinha de papel… e, se puder, gritar bem alto ao final:

HELLO CRAZY PEOPLE… às gargalhadas, of course!

(cinco anos depois, ele não resistiu à asma)

(leia-se “cavern club”)