blackhill

blackhill no shame (quase oficial)…

é o tal lance que a gente vem falando há um tempão: pedro blackhill tá muito íntimo da rapaziada do shame e, logo logo, galgará parâmetros na banda londrina.

no dia que essa parceria se realizar, blackhill poderá cumprir o papel que era do bez no happy mondays. lembra? o elemento não fazia nada (?!)… só ficava por ali, marotamente se requebrando, chacoalhando umas maracas… pô, a presença de blackhill é muuuito mais poderosa, robusta (hahaha) e descontrolada… oxente!

pois bem, semana retrasada o quinteto de brixton fez uma apresentação no minúsculo the social e blackhill ficou no palco! sente a peça de camiseta branca à esquerda, olhando pra banda, no palco…

HAHAHAHAHA… e as letrinhas sobre a intimidade:

“acabei vendo o show literalmente do palco, tive que subir pra não subir de vez. dá uma olhada AQUI nos vídeos, 3 músicas do próximo álbum – tô lá no canto do palco, selvageria pura, destruição total, ainda quebradaço

levei os dois compactos pra eles assinarem, sempre muito gentis, todos maneiros  (:
o Eddie (que tem a vinheta pro RoNca) ainda mandou um “obrigado” pra mim, lembra que sou do Brasil, haha

sinistro, Mauricio, um dia ainda morro nessas, o aperto foi sério

cheers”

london’s calling…

faz uma semana que uma das maiores leNNNNdas da cidade de são sebastião picou a mula para londres… isso,  pedro “blackhill” pegou o asa dura e partiu rumo ao U.K para realizar seu (dele) maior sonho: morar na cidade onde a música está impregnada em todos os tijolos, becos e kebabs… crazy!

na sexta feira (16), cruzamos os bigodes – com parte d’aTRIPA – ao “som” de pizzas & biricoticos para criar o mood adequado e xeretinha fazer o registro de despedida com pedrão abraçado ao “preto e branco”…

blackhill.tico

“blackhill”, devidamente instalado em hackney, claro, já está com uma programação inoxidável no bolso e prontinho para enviar relatos inoxidáveis como esse… onde, de cara, conferiu…

gb3gb2gb1

“foi o primeiro show deles depois de 2 anos – abriram com Footprints e logo em seguida o Gengibre já começou a dizer que tinha colocado uma válvula no coração, marca-passo, teve pneumonia, infecção …  fisicamente está bem acabado, mas continua tocando pra cacete !  e na sessão de P&R também disse que não tem nada mais chato que dar autógrafos, quando ele sumiu atrás da cortina eu nem arrisquei.

foram só 4 músicas e uma sessão de perguntas da platéia (rolou até um “fuck off” do Ginger pra um dos que ficam contando história e perguntando muito do passado)
e não chegou a 01h15 de tempo total, foram uns 40min, acho

a banda foi a mesma de seu último álbum “Why?”
Ginger Baker – drums
Pee Wee Ellis – saxophone
Alec Dankworth – bass
Abass Dodoo – percussion

não consegui fotos dele tocando, mas registrei Why? completa em vídeo…”

enfim, o rio de janeiro não terá tão cedo a presença de blackhill a iluminar nossos caminhos… mas, em compensação, ele estará mergulhado no mais cabriocárico sonho que um fissurado por sons pode pretender… YEAH!

cheers